11 Agosto 2022, 16:25

Covid-19: UE atinge em novembro recorde de excesso de mortalidade mensal – 40.5% – Eurostat

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Bruxelas, 17 fev 2021 (Lusa) — A União Europeia (UE) atingiu em novembro um novo recorde de excesso de mortalidade mensal devido à pandemia da covid-19: 40,5% de mortes adicionais face à média mensal entre 2016 e 2019, segundo o Eurostat.


Estes dados constam da edição de fevereiro do painel de estatística com indicadores mensais e trimestrais de várias áreas estatísticas relevantes para acompanhar a recuperação económica e social da pandemia da covid-19 na UE.


Em novembro, o excesso de mortalidade mensal chegou aos 40,5% na média da UE, batendo o anterior recorde de 25,1% registado em abril de 2020.


Segundo o gabinete estatístico europeu, o indicador de mortalidade excessiva é calculado como a diferença relativa (expressa em percentagem) do número de mortes mensais em relação à sua média para o mesmo mês durante o período 2016-2019.


Em Portugal, novembro foi também o mês com maior taxa de mortes adicionais (25,9%), depois de julho (25,3%) e abril (15,6%).


Em dezembro de 2020, a taxa recuou em Portugal para os 20,2% não havendo ainda dados para a média da UE.


Outra das consequências da pandemia em 2020 foi o recuo económico da UE, tendo o Produto Interno Bruto (PIB) da médias dos 27 Estados-membros sofrido uma quebra histórica de 11,4% no segundo trimestre de 2020, face aos primeiros três meses do ano, e uma recuperação de 11,5%, tendo a economia da UE voltado a contrair-se 0,4% entre outubro e dezembro de 2020.


O PIB português, por seu lado, sofreu uma contração de 13,9% no segundo trimestre, uma recuperação de 13,3% no seguinte — com o alívio das medidas de confinamento — e um novo avanço de 0,4% nos últimos três meses do ano.


A taxa de emprego, outros dos indicadores que o painel sobre as consequências da covid-19 contempla, recuperou no terceiro trimestre de 2020 na UE (72,4%) e em Portugal (74,3%), depois de uma quebra no período anterior (72,1% e 73,8%, respetivamente).


A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.408.243 mortos no mundo, resultantes de mais de 109 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.


A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.



IG // ZO


Lusa/fim

Sem comentários

deixar um comentário