07 Fevereiro 2023, 06:09

Covid-19: Universidade de Aveiro ultrapassa 500 casos desde início de ano letivo

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Aveiro, 15 jan 2021 (Lusa) – A Universidade de Aveiro (UA) ultrapassou hoje os 500 casos de covid-19, tendo sido registados mais sete contágios entre a comunidade académica e mais uma hospitalização nas últimas 24 horas, informou a instituição.


Numa nota dirigida à comunidade académica, o reitor da UA, Paulo Jorge Ferreira, diz que as autoridades de saúde confirmaram esta sexta-feira sete infeções por SARS-CoV-2, elevando para 60 o número de casos ativos na instituição.


A nota indica ainda que oito pessoas recuperaram da doença, havendo duas pessoas hospitalizadas, mas uma do que no dia anterior.


Na quinta-feira, a UA registou 19 infeções pelo novo coronavírus, o segundo maior número de casos diário, desde que foi detetado um surto naquela instituição de ensino há mais de três meses.


Desde o início do ano letivo em curso, a UA soma 505 infeções entre alunos, professores e funcionários, sendo que 445 pessoas já recuperaram da doença.


Entretanto, e devido ao novo confinamento que entrou em vigor à meia-noite, a UA fez algumas alterações no funcionamento das cantinas, bares e restaurantes.


Entre as medidas anunciadas hoje está o encerramento de três espaços de alimentação: Restaurante Universitário, Restaurante Vegetariano e o Bar do Ambiente.


As restantes cantinas (Santiago, Crasto e de Águeda) funcionam em regime exclusivamente de “take-away”, podendo as refeições aqui adquiridas ser consumidas no interior da sala. A partir de 19 de janeiro a cantina do Crasto irá estar encerrada reabrindo a 25 de fevereiro.


O decreto do Governo que regulamenta o novo estado de emergência devido à pandemia da covid-19, em vigor entre as 00:00 de sexta-feira e as 23:59 de 30 de janeiro, determina o encerramento de atividades de restauração.


O Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas (CRUP) defendeu na terça-feira que as atividades letivas e avaliativas devem continuar presenciais, manifestando disponibilidade para “ajustar medidas” em função daquilo do que “vier a exigir” a evolução da pandemia da covid-19.


A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.994.833 mortos resultantes de mais de 93 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.


Em Portugal, morreram 8.384 pessoas dos 517.806 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.


 


JDN // ACG


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário