12 Agosto 2022, 15:50

Covid-19: Vacina russas eficazes contra variante, diz o regulador russo

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Moscovo, Rússia, 16 de fev 2021 (Lusa) – As duas vacinas desenvolvidas na Rússia, a Sputnik V e a EpiVacCorona, são eficazes contra a variante britânica do novo coronavírus, anunciou hoje a agência de defesa do consumidor russa, Rospotrebnadzor, adianta a agência EFE.


“O efeito protetor foi demonstrado neutralizando reações usando amostras sorológicas de pessoas que receberam a Sputnik V e a EpiVacCorona e desenvolveram anticorpos para SARS-CoV-2”, disse a Rospotrebnadzor na página oficial da rede social Facebook, cita a agência espanhola.


“O soro das pessoas vacinadas neutralizou eficazmente tanto a variante britânica do coronavírus como o próprio coronavírus, que não contém o conjunto de mutações características da variante britânica”, disse a agência federal russa.


A Rospotrebnadzor não revelou quantas pessoas foram testadas neste estudo conduzido pelo Centro Estatal de Virologia e Biotecnologia “Vektor”, também criador do EpiVacCorona.


Na segunda-feira, a agência noticiosa oficial TASS noticiou que a EpiVacCorona também era eficaz contra as estirpes sul-africanas e brasileiras, sem fornecer mais pormenores.


No mesmo dia, o Presidente russo, Vladimir Putin, ordenou ao governo que analisasse a eficácia das vacinas russas contra as novas variantes do coronavírus e, se necessário, realizasse mais investigação para as adaptar.


O prazo estabelecido para o primeiro relatório foi 15 de março e depois um novo relatório a cada meio ano, mas a agência Rospotrebnadzor antecipou os resultados para hoje.


Em janeiro, a agência Rospotrebnadzor anunciou aos meios de comunicação russos,” mais uma vez sem dar mais pormenores”, salienta a EFE, que a segunda vacina russa é 100% eficaz.


A variante britânica do novo coronavírus foi detetada na Rússia antes do Ano Novo, tendo o Centro “Vektor” isolado a variante britânica para investigação.


A Sputnik V foi registada na Rússia em agosto de 2020 e tem uma eficácia de 91,6%, de acordo com análises provisórias de ensaios clínicos de fase III publicadas este mês na revista “The Lancet”.


Após o anúncio, Putin foi criticado por ter anunciado a Sputnik V sem ter concluído todos os ensaios, mas agora está permitido o seu uso em 26 países.


Quanto à EpiVacCorona, ensaios clínicos foram concluídos no final de setembro e em outubro autorizado o seu na Rússia.


Em 16 de Novembro, o ministério da Saúde autorizou ensaios em voluntários com mais de 60 anos e testes em 3.000 voluntários com idades compreendidas entre os 18 e os 60 anos.



JCR // EA


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário