22 Outubro 2021, 11:03

Covid-19: Vice-presidente do Brasil diz que tomará vacina

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Brasília, 11 jan 2021 (Lusa) — O vice-presidente do Brasil, Hamilton Mourão, afirmou hoje que tomará a vacina contra a covid-19, após ter contraído a doença, posição contrária à do Presidente, Jair Bolsonaro, que tem recusado a imunização por já ter estado infetado.


Mourão, que hoje regressou ao trabalho após 12 dias de isolamento devido à covid-19, tendo sofrido sintomas ligeiros, foi questionado pelos jornalistas se tomará algum imunizante contra o novo coronavírus. O governante declarou que sim, mas que não passará à frente na fila de vacinação.


“Dentro da minha vez. Eu sou o grupo 2, aí, de acordo com o planeamento. Não vou furar a fila, a não ser que seja propagandístico”, afirmou Mourão.


O vice-presidente brasileiro mostra assim uma posição oposta à do Presidente do país, Jair Bolsonaro, que declarou publicamente, mais que uma vez, que não tomará a vacina contra o novo coronavírus porque já teve a doença no ano passado e considera estar imunizado, embora existam casos relatados de reinfeção no país.


Mourão, porém, justificou a sua decisão de tomar a vacina mesmo já tendo sido infetado pelo novo coronavírus, SARS-CoV-2, que causa a doença covid-19, afirmando que a vacinação é uma obrigação coletiva.


“Acho que a vacina é para o país como um todo, uma questão coletiva, não é individual. O indivíduo, aqui, está subordinado ao coletivo neste caso”, disse o vice-presidente brasileiro.


Apesar de mais de 50 países no mundo, incluindo vários da América Latina, como Argentina, Chile, México e Costa Rica, já terem iniciado campanhas de vacinação contra o novo coronavírus, o Brasil ainda não definiu uma data para o arranque da imunização da população.


Além disso, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), órgão regulador do país, só recebeu na última sexta-feira dois pedidos de uso de emergência da vacina chinesa Coronavac e a do imunizante desenvolvido pela Universidade de Oxford.


O Governo brasileiro já elaborou um plano de vacinação que pode começar, na melhor das hipóteses no dia 20 de janeiro, segundo explicou o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, na semana passada.


O Brasil registou 469 novas mortes por covid-19 nas no domingo, totalizando 203,1 mil óbitos, informou o Ministério da Saúde.


Segundo o último boletim do Governo brasileiro, o país, um dos mais afetados no mundo pela crise sanitária do novo coronavírus, também registou 29.792 novas infeções e já acumula 8.105.790 casos da doença desde 26 de fevereiro.


A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.934.693 mortos resultantes de mais de 90,1 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.


A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.



CYR // JH


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário