19 Setembro 2021, 15:14

Cravinho diz que desvio de avião pela Bielorrússia não tem para já resposta militar

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Lisboa, 27 mai 2021 (Lusa) — O ministro da Defesa português, Gomes Cravinho, garantiu hoje que, “para já, não há nenhum tipo de resposta militar” ao episódio do desvio de um avião pela Bielorrússia e classificou o assunto como “gravíssimo”.


“O que aconteceu foi gravíssimo”, disse Gomes Cravinho à entrada de uma reunião de ministros de Defesa da União Europeia (UE), em Lisboa, referindo-se ao sequestro de um avião da Ryanair, no domingo, onde o Governo do Presidente da Bielorrússia ordenou a detenção do jornalista e opositor do regime Roman Protasevich.


Interrogado sobre se os ministros da Defesa da UE iriam tomar uma posição conjunta sobre o caso do desvio do avião, Gomes Cravinho respondeu que essa era uma matéria para ser apreciada pelos chefes das diplomacias dos 27 países.


“Isto é uma matéria para os ministros dos Negócios Estrangeiros, embora os ministros da Defesa possam querer ficar melhor informados sobre a natureza do regime da Bielorrússia. Mas esta é uma matéria que não tem, para já, nenhum tipo de resposta militar”, garantiu o ministro português, que serve de anfitrião para a reunião com os seus homólogos, quando Portugal assume a presidência rotativa do Conselho Europeu.


Para o ministro da Defesa português, tratou-se de um “ataque da ditadura à oposição”, recorrendo a “prerrogativas soberanas para favorecer interesses do regime”.


“Quando se coloca em risco um bem comum global, como o poder sobrevoar o espaço aéreo em segurança, causa-se um dano muito significativo para a comunidade internacional”, explicou o governante.



RJP // EL


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário