29 Janeiro 2022, 01:58

Crédito à economia real angolana cresce 4,68% em novembro — BNA

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Luanda, 22 dez 2021 (Lusa) — Os bancos comerciais angolanos concederam crédito à economia real no valor de 612 mil milhões de kwanzas (950 milhões de euros), em novembro, mais 19,01 mil milhões de kwanzas (29,5 milhões de euros) (4,68%) que em outubro.


O Banco Nacional de Angola (BNA) refere, em comunicado, que no final de novembro de 2021 foram desembolsados um total de 24 novos créditos ao setor da economia real, no âmbito do Aviso nº10/2020, perfazendo um total de 369 créditos concedidos, dos quais 274 com desembolsos efetivos.


Segundo o banco central angolano, o montante desembolsado pelos bancos comerciais até novembro totalizou 425,44 mil milhões de kwanzas (381 milhões de euros) representando um acréscimo de 19,01 mil milhões de kwanzas (4,68%) face a outubro de 2021.


Em termos globais, sublinha o BNA, o montante aprovado pelo setor bancário, até ao mês de novembro de 2021, correspondia a 344,48% do valor mínimo a conceder até ao final do ano de 2021, sendo que o efetivamente desembolsado representa 239,43%.


O número de bancos que cumpriu o limite mínimo de 2,50% do seu ativo líquido totaliza 17 no período em análise, destacando-se os bancos Milenium Atlântico (BMA), Caixa Geral Angola (BCGA), Comercial Huambo (BCH), de Comércio e Indústria (BCI), BCS, de Fomento Angola (BFA), Internacional de Créditos (BIC), Standard Bank Angola (SBA), de Negócios Internacional (BNI), Prestígio (BPG), Valor (BVB), Finibanco (FNB), KEVE, de Investimento Rural (BIR), YETU, VTB e de Micro Finanças (BMF).


Foram aprovados pelos bancos comerciais um total de 369 projetos, correspondendo a 83,41% do mínimo estabelecido, destacando-se dez bancos que concentraram 74,26% dos mesmos, nomeadamente o BAI (Banco Angolano de Investimentos), BNI, BIC, YETU, KEVE, SBA, BCGA, BFA, BCS e BVB.


Os bancos SBA, BNI, BIC, YETU E KEVE, assinala o BNA, já atingiram o limite mínimo de números de projetos a financiar.



DYAS // JH


Lusa/Fim


 

Sem comentários

deixar um comentário