09 Setembro 2022, 09:51

Credores autorizam adiamento do pagamento da dívida externa da Ucrânia até 2024

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



Os credores internacionais autorizaram a Ucrânia a adiar o pagamento da sua dívida externa até 2024, anunciou o primeiro-ministro ucraniano, Denys Chmygal, na quarta-feira à noite.

A dívida externa da Ucrânia, que foi invadida pela Rússia em 24 de fevereiro, está avaliada em 20.000 milhões de dólares (mais de 19.300 milhões de euros, ao câmbio atual).

A moratória de dois anos “permite à Ucrânia manter a estabilidade macrofinanceira e reforçar a sustentabilidade económica”, escreveu Chmygal na rede social Twitter, segundo a agência francesa AFP.

O ministro das Finanças ucraniano, Serguei Martchenko, citado na publicação, congratulou-se com a decisão dos credores.

“Graças à solidariedade com a Ucrânia demonstrada pela comunidade de investimento privado e pelo setor público oficial, seremos capazes de satisfazer as necessidades do povo ucraniano”, disse Martchenko.

Um grupo de credores ocidentais, incluindo Estados Unidos, França, Alemanha, Japão e Reino Unido, concordou, em 20 de julho, em adiar o pagamento dos juros da dívida da Ucrânia, após um pedido de Kiev, e exortaram outros detentores de obrigações a fazer o mesmo.

A economia da Ucrânia entrou em colapso desde o início da guerra, com o Banco Mundial a prever uma queda de 45% do Produto Interno Bruto (PIB) este ano.

Os pagamentos diferidos de obrigações da Ucrânia poderão permitir poupar pelo menos 3.000 milhões de dólares (mais de 2.900 milhões de euros) em dois anos, de acordo com cálculos da agência financeira Bloomberg.

Sem comentários

deixar um comentário