21 Outubro 2021, 05:09

Curta-metragem “Tracing Utopia” de Catarina de Sousa e Nick Tyson compete em Roterdão

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Roterdão, 22 dez 2020 (Lusa) — A curta-metragem “Tracing Utopia”, da portuguesa Catarina de Sousa e do norte-americano Nick Tyson, vai estar em competição no Festival Internacional de Cinema de Roterdão, nos Países Baixos, anunciou hoje a organização.


“Este trabalho, que retrata as aspirações de uma comunidade de jovens ‘queer’ no Queens, é uma odisseia que transcende o tempo, através dos sonhos e visões de um mundo melhor. O filme parte de uma utopia e cria um manifesto colaborativo, exigindo as mudanças que os jovens ‘queer’ desejam hoje”, referiu a Portugal Film, em comunicado, sobre a ‘curta’ que terá a sua estreia absoluta em Roterdão.


Já na competição de longas-metragens, pelo prémio Tigre, encontra-se o brasileiro “Madalena”, de Madiano Marcheti, também em estreia mundial, sobre a forma como “a morte de uma mulher trans liga três vidas no coração agrário do Brasil”.


Na competição Grande Ecrã, surge o também brasileiro “Carro Rei”, de Renata Pinheiro.


Segundo a biografia disponível no seu ‘site’, Catarina de Sousa é jornalista, realizadora e produtora de cinema e artes visuais, mestre em Ciências da Comunicação pela Universidade do Minho com formação nas Oficinas de Documentário dos Ateliers Varan, em França.


Foi artista residente no UnionDocs, com Nick Tyson, onde nasce o projeto “Tracing Utopia”, tendo sido também bolseira da Fundação Calouste Gulbenkian e trabalhado para a agência Lusa, Rádio Clube Português e Barcelona Televisió. É colaboradora da brasileira Mídia Ninja.


De acordo com a mesma biografia, produziu, entre Portugal e o Brasil, “A Mordida” (2019), “Arte que Faz Mal à Vista” (2018), “Semente Exterminadora” (2017), de Pedro Neves Marques; “Vale das Dúvidas” (em pós-produção), de Francisca Manuel; e “Laureano Barros, Rigoroso Refúgio” (2017), de Paulo Pinto, para a RTP.


É ainda produtora associada de “Êxtase” (2020), de Moara Passoni, e “Olmo e a Gaivota” (2015), de Petra Costa e Lea Glob.


Por seu lado, Nick Tyson é um cineasta, escritor e investigador que vive entre Paris e Nova Iorque.


Nascido em 1991, Tyson filmou e montou “Address” (2020) com a bailarina e coreógrafa Garnet Henderson e atuou em “Breath Control” (2020) por Carson Parish.


Devido ao combate à covid-19, o Festival Internacional de Cinema de Roterdão vai repartir-se em dois momentos: o primeiro entre 01 e 07 de fevereiro e o segundo entre 02 e 06 de junho, com uma série de eventos pelo meio.



TDI // FPA


Lusa/fim

Sem comentários

deixar um comentário