16 Agosto 2022, 16:42

Desenvolvido biossensor para medir qualidade da água e alimentos em operações militares

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Investigadores do Instituto Superior de Engenharia do Porto (ISEP) e do Centro de Investigação, Desenvolvimento e Inovação da Academia Militar (CINAMIL) estão a desenvolver um dispositivo portátil para medir a qualidade da água e alimentos em teatros de operações.

Samuel da Costa Migueis, major veterinário do exército português, explicou hoje que o projeto, intitulado SIPA – Sistema Integrado de Proteção Alimentar, visa desenvolver uma tecnologia que, de forma imediata e no local, permita aferir a qualidade da água e dos alimentos, especialmente em ambientes hostis, onde o acesso a água potável nem sempre é garantido.

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



A tecnologia nasce do desenrolar das atividades da unidade militar de medicina veterinária que tem a incumbência de verificar o processo de fabrico das refeições do exército, tanto nas cantinas militares em território nacional, como no teatro de operações.

“Neste momento, a monitorização é feita pelos militares que estão em campanha e com recurso a um termómetro. Depois, de seis em seis meses, as equipas veterinárias vão ao local, verificam o registo e trazem amostras para Portugal para processamento”, esclareceu o major veterinário.

Para que o procedimento de monitorização da qualidade dos alimentos e da água se torne “mais autónomo”, os investigadores estão a desenvolver um biossensor, que esperam que fique concluído nos próximos seis a 12 meses.

“Queríamos desenvolver um sistema que fosse possível monitorizar à distância para que quando houver algum desvio na alimentação ou na água conseguirmos atuar a tempo”, salientou Samuel da Costa Migueis.

Também em declarações à Lusa, Felismina Moreira, coordenadora do grupo de investigação BioMark do ISEP, esclareceu que o dispositivo será similar ao “tradicional dispositivo da glucose”, permitindo uma “leitura rápida, barata e simples” dos parâmetros de qualidade da água.

“Através de uma gota de água, colocada na superfície do sensor de base eletroquímica, vai ser possível detetar, no período máximo de 30 minutos, a bactéria E-Coli, o principal indicador de contaminação”, esclareceu a investigadora, acrescentando que para tal, é apenas necessário um ‘smartphone’.

Neste momento, os investigadores estão em “fase de otimização” do produto, sendo que o sensor “já responde”, mas existem outros parâmetros que precisam de ser otimizados.

De acordo com o major veterinário, a tecnologia está a ser testada na escola dos serviços na Póvoa do Varzim, local onde também já foi testada a “sonda térmica móvel inteligente”, dispositivo que permite controlar a segurança alimentar.

“O projeto SIPA é uma prova de conceito de que é possível monitorizar à distância o processo produtivo de uma cozinha de campanha”, evidenciou Samuel da Costa Migueis.

O projeto arrancou em 2021 e conta ainda com a colaboração da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) e da empresa Izum.

Sem comentários

deixar um comentário