16 Setembro 2021, 20:43

Desflorestação da Amazónia brasileira bate recorde em maio

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Redação, 04 jun 2021 (Lusa) – A desflorestação da Amazónia brasileira atingiu em maio um nível recorde, com um aumento de 41% face ao mesmo mês de 2020, o que resultou na destruição de uma área de 1.180 quilómetros quadrados da maior floresta tropical do mundo.


Os dados divulgados hoje foram recolhidos pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), órgão ligado ao Governo brasileiro, entre 01 e 28 de maio, pelos satélites que fazem parte do sistema Deter.


Este forte aumento questiona seriamente o compromisso feito pelo Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, perante a comunidade internacional de eliminar a desflorestação ilegal no país até 2030, dez anos antes do que o inicialmente planeado.


Em abril já tinha sido batido um recorde, com 580 quilómetros da floresta amazónica destruídos no Brasil, mas o número de maio é “particularmente preocupante porque este mês marca o início da seca que é acompanhada por uma intensificação da destruição de grande parte da floresta amazónica”, frisou em um comunicado o Observatório do Clima, uma rede de organizações não-governamentais (ONG) de defesa do meio ambiente.


Bolsonaro é cético quanto as mudanças climáticas, mas entretanto prometeu esforços antes da cimeira do clima, organizada pelo Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, em abril.


Desde que assumiu o poder em janeiro de 2019, porém, o Observatório do Clima avalia que o chefe de Estado brasileiro “tem trabalhado para desmantelar as políticas de controlo da desflorestação”.


A ONG também acusou o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, de ter “praticamente encerrado” as atividades do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).


Salles e outros funcionários do Ministério do Meio Ambiente também são suspeitos de favorecer a exportação ilegal de madeira da Amazónia para a Europa e os Estados Unidos.


A Amazónia é a maior floresta tropical do mundo e possui a maior biodiversidade registada numa área do planeta, com cerca de 5,5 milhões de quilómetros quadrados e inclui territórios do Brasil, Peru, Colômbia, Venezuela, Equador, Bolívia, Guiana, Suriname e Guiana Francesa (pertencente à França).



CYR // JH


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário