09 Setembro 2022, 11:36

Detida jornalista russa que protestou contra a guerra na Ucrânia em direto na TV

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



A jornalista russa que exibiu um cartaz contra a guerra na Ucrânia durante um programa televisivo, em março, foi detida hoje sob a acusação de desacreditar o exército da Rússia, anunciou o seu advogado.

“Estamos atualmente com investigadores. Foi aberta uma investigação” contra Marina Ovsiannikova por “divulgação de informações falsas” sobre o exército russo, disse Dmitri Zakhvatov à agência francesa AFP.

Os investigadores devem agora decidir se Ovsiannikova aguardará julgamento na prisão ou em liberdade, disse a mesma fonte.

Em 14 de março, Marina Ovsiannikova, 44 anos, surgiu atrás de uma apresentadora durante um programa informativo sobre a guerra na Ucrânia e exibiu um cartaz com a frase “parem a guerra, não acreditem na propaganda, eles estão a mentir-vos”.

Na altura, foi acusada de denegrir os militares russos e multada, tendo deixado de trabalhar na estação televisiva.

Antes de o advogado ter anunciado a detenção, a casa da jornalista foi alvo de buscas.

O processo foi lançado ao abrigo de uma lei, promulgada após a invasão russa da Ucrânia em 24 de fevereiro, que penaliza declarações contra os militares, disse o advogado.

Este crime pode ser punido com uma pena até 15 anos de prisão.

Desde o final de julho, Ovsiannikova já foi multada duas vezes por desacreditar o exército russo, nomeadamente com base em mensagens criticando a ofensiva na Ucrânia publicadas em redes sociais.

De acordo com a Net Freedoms, um grupo de assistência jurídica centrado em casos de liberdade de expressão, já se registaram na Rússia 79 casos criminais por divulgação de alegadas informações falsas sobre os militares e até 4.000 casos administrativos contra pessoas acusadas de denegrir as forças armadas.

Sem comentários

deixar um comentário