05 Fevereiro 2023, 10:22

Detido no Luxemburgo homem acusado de matar e desmembrar cidadã portuguesa

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



Um homem de 48 anos foi detido quinta-feira no Luxemburgo em ligação ao caso da descoberta do corpo desmembrado de uma cidadã portuguesa, em 19 de setembro, em Mont-Saint-Martin no departamento francês de Meurthe-et-Moselle, anunciou hoje fonte judicial luxemburguesa.

Segundo a Procuradoria-geral de Diekirch (Luxemburgo), a justiça luxemburguesa foi encarregue do caso na passada terça-feira após a difusão de tatuagens no corpo que permitiram identificar a vítima: uma mulher de 40 anos, de origem portuguesa e residente em Diekirch.

“A identificação foi confirmada por análise de DNA”, disseram as autoridades luxemburguesas.

O suspeito já prestou declarações a um juiz de instrução e ficou detido preventivamente, no Centro Penitenciário de Schrassig, tendo sido acusado de assassínio.

“A investigação judicial de Luxemburgo continua e várias verificações estão em andamento”, acrescentou a Procuradoria de Diekirch.

O tronco da vítima foi descoberto por um transeunte em meados de setembro “perto de um prédio desabitado” em Mont-Saint-Martin, cidade localizada na fronteira com a Bélgica e Luxemburgo.

Os resultados da autópsia do corpo da mulher não revelaram quaisquer vestígios de ferimentos de bala ou facadas ou violência sexual.

Provavelmente foi morta “nas 24 horas que antecederam a descoberta do corpo, obviamente “desmembrado em outro local”, revelou o procurador François Pérain.

Uma marcha branca em homenagem à vítima, cuja identidade foi revelada como sendo Diana Santos segundo a imprensa luxemburguesa, deverá realizar-se em 22 de outubro na localidade fronteiriça de Athus, na Bélgica.

Sem comentários

deixar um comentário