09 Setembro 2022, 21:20

Dezenas de feridos e 17 desaparecidos em incêndio em depósito de petróleo em Cuba

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



Um incêndio desencadeado por um relâmpago num depósito de armazenamento de petróleo na cidade cubana de Matanzas está descontrolado, após quatro explosões terem feito cerca de 80 feridos e 17 bombeiros desaparecidos, indicaram hoje as autoridades cubanas.

Os bombeiros e outros especialistas estão ainda a tentar controlar as chamas na Base de Supertanques de Matanzas, onde o incêndio deflagrou durante uma trovoada, na sexta-feira à noite, escreveu o Ministério da Energia e Minas de Cuba na rede social Twitter.

O Governo indicou mais tarde ter pedido ajuda a especialistas internacionais de “países amigos”, com experiência no setor petrolífero.

A agência oficial Cuban News noticiou que um relâmpago atingiu um dos tanques ateando o fogo e que as chamas depois alastraram a um segundo tanque.

Enquanto helicópteros sobrevoavam o local despejando água sobre as chamas, uma densa coluna de fumo negro erguia-se das instalações, espalhando-se para oeste ao longo de mais de 100 quilómetros, na direção de Havana.

A página da rede social Facebook do governo provincial de Matanzas indicava que o número de feridos atingiu 77, ao passo que 17 pessoas estavam desaparecidas.

A Presidência da República cubana precisou que os 17 desaparecidos eram “bombeiros que se encontravam na área mais próxima dos depósitos tentando evitar que as chamas se espalhassem”.

O acidente ocorre num momento em que Cuba se debate com escassez de combustíveis. Não houve comentários imediatos sobre a quantidade de petróleo consumida pelas chamas ou em perigo de o ser nas instalações de armazenamento, que têm oito tanques gigantes contendo petróleo utilizado para abastecer centrais de produção de eletricidade.

As autoridades indicaram que o bairro de Dubrocq, mais próximo do local do incêndio, foi evacuado e que alguns residentes do distrito de Versailles, um pouco mais distante, decidiram abandonar as suas casas.

Muitas ambulâncias, polícia e viaturas de bombeiros foram vistas nas ruas de Matanzas, uma cidade com cerca de 140.000 habitantes, situada na Baía de Matanzas.

O Presidente cubano, Miguel Diaz-Canel, deslocou-se à zona do incêndio ao início do dia de hoje, indicaram as autoridades.

O meteorologista local Elier Pila divulgou imagens de satélite da área com uma densa coluna de fumo negro movendo-se do local do incêndio para oeste e atingindo a zona leste de Havana.

“Aquela coluna pode ter perto de 150 quilómetros de comprimento”, escreveu o meteorologista na sua conta da rede social Twitter.

Sem comentários

deixar um comentário