17 Outubro 2021, 17:58

Dezenas de milhares manifestam-se pela renúncia do primeiro-ministro da Arménia

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Erevan, 05 dez 2020 (Lusa) — Dezenas de milhares de manifestantes concentraram-se hoje na Praça da Liberdade de Erevan, capital da Arménia, exigindo a renúncia do primeiro-ministro, Nikol Pashinyan, culpabilizado pela derrota do país na guerra com o Azerbaijão.


O Movimento para a Salvação da Pátria (MSP), responsável pela manifestação, propõe que o político Vazguén Manukián chefie um Governo de transição.


Manukián, de 74 anos, foi primeiro-ministro e ministro da Defesa, bem como um dos fundadores do movimento pela unificação da região Nagorno Karabakh, uma autoproclamada república de maioria arménia em território do Azerbaijão, com a Arménia.


Os chefes das administrações locais da província de Siunik, na fronteira do Irão com o Azerbaijão, juntaram-se hoje aos manifestantes.


“Estamos convencidos que [assim] não é possível neutralizar a ameaça de catástrofe e exigimos a renúncia do primeiro-ministro Nikol Pashinián e do seu Governo”, defenderam, num comunicado conjunto.


O ex-Presidente da Arménia, Levón Ter-Petrosián, alertou hoje para a possibilidade de guerra civil perante a escalada da luta pelo poder.


Ter-Petrosián, que governou o país entre 1991 e 1998, mostrou-se ainda confiante quanto à possibilidade de Pashinián e Manukián estarem conscientes dessa ameaça.


Pashinián, que chegou ao poder em 2018, recusou-se, até agora, a abandonar o cargo ou a formar um Governo de salvação nacional, após a crise gerada no país pela derrota na última guerra em Nagorno Karabakh.


Na sexta-feira, O secretário-geral da ONU, António Guterres, exortou a Arménia e o Azerbaijão “a retomarem as negociações sob os auspícios dos copresidentes do Grupo de Minsk da OSCE para obter um acordo pacífico duradouro”, num comunicado que não cita a Turquia.


Na sua declaração, o chefe da ONU “encoraja os governos e os povos arménio e azeri a comprometerem-se na via do diálogo para favorecer a paz, estabilidade e prosperidade regionais”.


O comunicado de António Guterres surge um dia após uma declaração conjunta dos Estados Unidos, Rússia e França, copresidentes do Grupo de Minsk, destinado a reafirmar a importância desta instância, e quando a Turquia reivindica um novo formato de negociações onde seria uma das partes integrantes.


Por sua vez, o Azerbaijão apelou à exclusão da França do grupo de mediação, após a votação pelo Senado francês de um texto não vinculativo que sugere o “reconhecimento” do Nagorno-Karabakh



PE (PCR) // VC


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário