10 Setembro 2022, 05:31

Diplomata russo afirma que cooperação com Ocidente acabou irreversivelmente

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Moscovo, 03 ago 2022 (Lusa) — Um responsável governamental russo afirmou hoje que a era de cooperação entre a Rússia e o Ocidente terminou irreversivelmente, num artigo publicado na revista Mezhdunarodnaya Zhizn.


“Independentemente da duração e do resultado da operação militar especial [na Ucrânia], é já claro que o período de 30 anos de cooperação construtiva, ainda que com problemas, com o Ocidente chegou ao fim sem haver volta a dar”, afirmou o diplomata Alexei Dobrinin, que chefia o Departamento de Planeamento da Política Externa do Ministério dos Negócios Estrangeiros russo.


No artigo, reproduzido na página oficial do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Dobrinin salientou que “não haverá regresso à situação anterior a 24 de fevereiro nas relações com os países da América do Norte e da Europa”.


“A Rússia entrou numa fase aguda de confronto com uma aliança agressiva de países hostis liderada pelos Estados Unidos”, acrescentou.


Segundo Dobrinin, o objetivo dos adversários da Rússia é derrotá-la estrategicamente, “para a eliminar como concorrente geopolítico”.


“Apesar de mais de uma geração nossa ter crescido em tempos relativamente pacíficos, a situação de conflito é encarada como uma norma por um país com a geografia e interesses da Rússia”, comentou o diplomata no artigo intitulado “Lições da História e Imagem do Futuro: Reflexões sobre a Política Externa da Rússia”.


A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de quase 17 milhões de pessoas de suas casas — mais de seis milhões de deslocados internos e mais de dez milhões para os países vizinhos -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945). 


Também segundo as Nações Unidas, cerca de 16 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.


A invasão russa — justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia – foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que está a responder com o envio de armamento para a Ucrânia e a imposição à Rússia de sanções que atingem praticamente todos os setores, da banca à energia e ao desporto.


A ONU confirmou que 5.327 civis morreram e 7.257 ficaram feridos na guerra, que hoje entrou no seu 161.º dia, sublinhando que os números reais deverão ser muito superiores e só serão conhecidos quando houver acesso a zonas cercadas ou sob intensos combates.



BZF/APN // APN


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário