19 Setembro 2021, 02:41

Duas manifestações ilegais coincidem num parque em Bruxelas em simultâneo

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Bruxelas, 29 mai 2021 (Lusa) — Duas manifestações não autorizadas, uma contra as medidas de controlo da pandemia de covid-19 e outra de apoio ao militar belga de extrema-direita foragido, encontraram-se hoje em simultâneo no parque Bois de La Cambre, em Bruxelas. 


Segundo a agência Belga, citada pela agência noticiosa espanhola Efe, a manifestação contra as medidas de combate à covid-19 reuniu cerca de 500 pessoas, que clamaram por “democracia e liberdade”.


Os organizadores do protesto, o grupo “Europeus Unidos”, defendem que as medidas aplicadas globalmente para conter a pandemia de covid-19 “está a levar todos os países europeus à beira da ditadura”, uma vez que as mesmas não têm “em conta os Direitos Humanos ou as Constituições”.


Depois de se terem manifestado durante algumas horas, os protestantes rumaram em direção ao bairro europeu de Bruxelas, criando um novo movimento não autorizado, que foi acompanhado pela polícia.


A outra manifestação juntou apoiantes do militar de extrema-direita Jurgen Conings que está em fuga há dez dias, após fazer ameaças contra um virologista.


Os apoiantes ergueram pósteres com o slogan de campanha eleitoral de Donald Trump (“tornar a América grande outra vez”) e consideraram o militar foragido como um herói.


Apesar das duas manifestações ilegais, hoje também decorreu, sem incidentes, uma manifestação autorizada no centro de Bruxelas com cerca de 1.500 participantes, que reivindicaram mais financiamento para o setor da saúde.


A 25 de maio, a ministra da Defesa belga, Ludivine Dedonder, expressou preocupação com a mobilização nas redes sociais de membros e antigos membros do Exército, a favor de um militar de extrema-direita em fuga após fazer ameaças contra um virologista.


Jurgen Conings, militar de 46 anos, provavelmente armado e, portanto, considerado perigoso, é procurado há mais de uma semana, principalmente na província de língua holandesa de Limburg (norte da Bélgica), de onde é natural e onde o seu carro foi encontrado abandonado em 18 de maio, com um lança-foguetes antitanque.


Segundo cartas encontradas pelos investigadores, este homem listado como simpatizante da extrema-direita parece determinado a atacar representantes do Estado e o virologista belga Marc Van Ranst, um especialista em destaque devido à pandemia de covid-19.


Conings é um dos 30 membros do Exército belga monitorizados pelo serviço de inteligência militar devido à sua proximidade com a extrema-direita.


Mesmo assim, teve acesso a armas e munições no seu quartel, algo que o primeiro-ministro belga, Alexander De Croo, considerou “inaceitável”.



RPYP (AXYG/AFE) // EL


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário