29 Junho 2022, 23:40

Dupla no quarteto da fuga dá vitória tática à Jumbo no «Giro»

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

A tática da equipa Jumbo-Visma deu hoje a vitória na sétima etapa da Volta a Itália ao ciclista neerlandês Koen Bouwman, que formou dupla com o compatriota Tom Dumoulin na fuga do dia e anulou a concorrência.

Bouwman, que assumiu a liderança da classificação da montanha, cumpriu os 196 quilómetros entre Diamante e Potenza em 5:12.30 horas, com o neerlandês Bauke Mollema (Trek-Segafredo) em segundo e o italiano Davide Formolo (UAE Emirates) em terceiro, ambos a dois segundos do vencedor.

O português João Almeida (UAE Emirates) foi oitavo na etapa, chegando a 2.59 minutos do vencedor da ‘tirada’, seguindo em sétimo na geral, a 1.58 minutos do líder, López, que é seguido de perto pelo alemão Lennard Kämna (BORA-hansgrohe), segundo a 38 segundos, e o estónio Rein Taaramäe (Intermarché-Wanty-Gobert Matériaux), terceiro a 1.02 minutos.

A tentativa de formar uma ‘fuga bidone’  (muitos elementos) marcou o arranque da etapa, onde até o favorito Richard Carapaz (INEOS) tentou, sem que o pelotão deixasse o equatoriano seguir.

Da UAE Emirates, a equipa de João Almeida, ‘saltaram’ pelo menos três, todos italianos. Alessandro Covi e Diego Ulissi falharam, mas Davide Formolo seguiu para a frente.

Aí, foi fazendo grupo com vários ciclistas até que se formou o grupo final, de quatro ciclistas: Dumoulin e Bouwman, que se destacou sempre ao vencer os pórticos de montanha, Formolo, o único que lhe dava luta, e Bauke Mollema.

As sucessivas tentativas de deixar os outros para trás, com medo de um ‘sprint’ a quatro em que a Jumbo-Visma levava vantagem, não surtiram efeito, com a tática e a capacidade de Dumoulin, enquanto especialista de contrarrelógio, de impor ritmo a segurarem o triunfo.

Para o vencedor da tirada, este “foi um dia muito difícil”, pelo traçado “mais inclinado do que parece”, sobretudo em cima da meta, onde sentiu “muita força no arranque do ‘sprint'”.

“Estávamos dois de quatro, na fuga, e o Tom fez um belo trabalho. Eu estava a sentir-me bastante bem e tinha confiança no ‘sprint’. (…) Os nossos homens para a geral perderam tempo, e agora eu e o Tom focar-nos-emos em tentar ganhar etapas, com o Tobias Foss a tentar a geral. Ter esta vitória é indescritível”, destacou o novo líder da montanha.

João Almeida foi hoje oitavo, entrando no ‘top-10’ com bom posicionamento, evitando cortes de tempo no grupo dos favoritos, sem grandes alterações nos primeiros lugares, seguindo em sétimo, e em terceiro na classificação da juventude.

Os compatriotas e colegas de equipa Rui Costa (47.º na etapa) e Rui Oliveira (152.º) subiram na geral, com o primeiro a chegar ao 47.º posto também na geral e o segundo a ascender a 146.º.

No sábado, a oitava etapa começa e termina em Nápoles, com 153 quilómetros cronometrados, com apenas uma contagem de montanha, de quarta categoria, ainda longe da meta.

Sem comentários

deixar um comentário