26 Janeiro 2022, 07:43

Efacec: Trabalhadores exigem que Governo fiscalize destino do financiamento de 45 ME

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Redação, 16 dez 2021 (Lusa) — Os trabalhadores da Efacec, hoje reunidos em plenário, reiteraram que “continuam parados, sem trabalho”, e exigiram que “o Estado e o Governo fiscalizem” se o financiamento de 45 milhões de euros à empresa é usado para comprar matéria-prima.


“Os trabalhadores estão e vão continuar a estar atentos. Exigem trabalho, exigem que os 45 milhões de euros recentemente injetados sejam utilizados para a compra de matéria-prima para que a fábrica comece a laborar e exigem que o Estado e o Governo fiscalizem o destino desse dinheiro”, lê-se num comunicado do Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras, Energia e Atividades do Ambiente do Norte (Site-Norte).


Durante os plenários realizados hoje nos polos da Arroteia e da Maia do grupo Efacec, o sindicato diz que os trabalhadores reiteraram “que continuam parados, sem trabalho, e [que] isto está a acontecer, porque não existe matéria-prima, por falta de pagamento aos fornecedores”.


Os trabalhadores – que no último mês realizaram três greves parciais, de duas horas, a 10 e 30 de novembro e a 09 de dezembro – “continuam também a exigir a nacionalização definitiva da Efacec e a demissão da atual administração”, tendo decidido “continuar a luta” por estes objetivos.


A quarta greve, prevista para hoje, acabou, contudo, por ser suspensa na sequência da concretização, esta semana, do financiamento bancário de 45 milhões de euros à empresa.


Num comunicado divulgado na passada terça-feira, o sindicato salientava que “esta nova injeção de capital tem de ser devidamente fiscalizada” e que “os trabalhadores têm a expectativa de que o dinheiro, tal como foi dito pelo ministro da Economia, seja realmente para comprar matérias-primas e colocar a fábrica a laborar”.


Garantindo que “estará atento ao destino” deste financiamento, o Site-Norte avisa que “novas formas de luta serão marcadas no caso de o dinheiro não ser utilizado para a compra de matérias-primas”.


Numa declaração enviada à Lusa no dia da última greve, em 09 de dezembro, fonte oficial da Efacec afirmou que “não entende as motivações” das greves, nem “se revê nas acusações de que é alvo, nomeadamente de estar inativa”.


“Uma empresa parada não conquista clientes, não é distinguida com prémios, não é escolhida por centenas de empresas para ser parceira na candidatura a cinco projetos altamente estruturantes para o futuro do país, não investe na criação de uma nova estrutura organizacional, para se tornar mais eficiente, não alcança receitas superiores a centenas de milhões de euros”, sustentou na altura a administração.


A Efacec recebeu esta semana um novo financiamento bancário com garantia pública, de 45 milhões de euros, que o ministro da Economia tinha avançado na passada quinta-feira que devia “estar a chegar”, confirmou na terça-feira à Lusa fonte oficial da empresa.


Garantido pelo Banco de Fomento, o empréstimo foi obtido junto de um sindicato bancário constituído pela CGD, Novo Banco, Millennium BCP e Montepio e visa permitir à empresa manter a operação até conclusão do processo de reprivatização, no âmbito do qual prosseguem as negociações com o único candidato ainda na corrida, o grupo português DST.


O Governo pretende que o processo de reprivatização dos 71,73% do capital social da Efacec atualmente nas mãos do Estado esteja concluído até ao final do ano, sendo que o grupo português DST SGPS foi o único a apresentar uma proposta final de compra, segundo anunciou recentemente a Parpública.


A entrada do Estado na Efacec decorreu da saída de Isabel dos Santos, filha do ex-Presidente angolano José Eduardo dos Santos, da esfera acionista, na sequência do envolvimento no caso ‘Luanda Leaks’, no qual o Consórcio Internacional de Jornalismo de Investigação revelou mais de 715 mil ficheiros que detalham alegados esquemas financeiros da empresária.



PD // JNM


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário