13 Maio 2022, 17:45

Eliminação do paludismo em São Tomé e Príncipe comprometida com “aumento alarmante” de casos

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

São Tomé, 06 mai 2022 (Lusa) – O Presidente são-tomense afirmou hoje que o aumento alarmante de casos de paludismo no país representa um grande problema de saúde pública e de entrave ao desenvolvimento, defendendo a reavaliação da estratégia para a eliminação da doença em 2025.


 “Em São Tomé e Príncipe registamos um abrandamento considerável nos progressos já alcançados nos anos anteriores para reduzir os casos de paludismo e de mortes causadas por esta doença, mas lamentavelmente o nosso país voltou a conhecer um aumento de casos desde finais do ano de 2021 até a data presente”, afirmou Carlos Vila Nova, na abertura da reunião da Comissão Nacional de Luta Contra o Paludismo (CNLCP).


O chefe de Estado são-tomense realçou que o país regista “um aumento considerado alarmante”, o que representa “um grande problema de saúde pública e de entrave ao desenvolvimento”.


“É imprescindível uma reavaliação e ou reflexão […] sobre uma nova abordagem de luta contra o paludismo, pois só assim podemos reafirmar o engajamento de Estado são-tomense no processo de eliminação desta doença”, defendeu Carlos Vila Nova, que preside à CNLP.


Os dados do Programa Nacional de Luta Contra o Paludismo apontam o “incremento acelerado de casos de paludismo desde finais de 2021”, sendo que entre janeiro e maio houve “um registo de 1.647 casos de paludismo acumulados”, representando mais 1.023, se comparado ao mesmo período do ano passado.


O aumento de casos levou as autoridades são-tomenses e parceiros internacionais, incluindo a Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Fundo Global a darem início a uma nova estratégia para a eliminação do paludismo no país.


“Este encontro demonstra a forte preocupação em melhorar os resultados que temos vindo a alcançar e de continuarmos a trabalhar tendo em conta a visão estabelecida no plano estratégico nacional que é o de eliminar o paludismo no país até 2025”, afirmou o Presidente são-tomense.


O primeiro-ministro, Jorge Bom Jesus, defendeu a “mobilização de sinergias a todos os níveis”, envolvendo todos os atores políticos, sociais, empresarias, organizações não-governamentais e parceiros na luta contra o paludismo.


 “Esta patologia não é uma fatalidade, tanto mais que há uma luz no fundo do túnel, temos uma meta para [eliminar o paludismo em] 2025, uma meta que apesar das dificuldades vamos continuar a persegui-la”, defendeu o chefe do Governo são-tomense.


Para isso, Jorge Bom Jesus defendeu que “a luta contra o paludismo não é uma tarefa exclusiva” do ministério e profissionais da saúde, muitos menos do Governo, mas envolve o Estado são-tomense.


“Nós temos que envolver as populações, que são destinatárias, mas que devem ser também agentes nesta luta titânica contra este flagelo social que corrói a saúde do nosso povo, mas também tem impacto na economia e a outros níveis”, afirmou o primeiro-ministro.


Há cerca de duas semanas, o coordenador do Programa Nacional de Luta Contra o Paludismo, João Alcântara, afirmou em entrevista à Rádio Nacional são-tomense que o país não vai conseguir cumprir a meta de eliminar o paludismo em 2025.


“Temos que ter três anos, sem ter um único caso […] para declarar-se um país livre do paludismo. Podemos conseguir ainda na Região Autónoma do Príncipe e em São Tomé ainda continuarmos na luta no sentido de eliminarmos”, explicou, João Alcântara.


Durante a reunião da Comissão Nacional de Luta Contra o Paludismo realizada hoje alguns profissionais do Ministério da Saúde e da OMS reafirmaram que o país deve apostar num processo de eliminação subnacional do paludismo, nomeadamente no distrito de Caué e na ilha do Príncipe que têm registados poucos casos.


 


JYAF // LFS


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário