04 Novembro 2022, 16:16

Emirados Árabes Unidos intercetaram e destruíram “três ‘drones’ hostis” – governo

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Dubai, 02 fev 2022 (Lusa) — Os Emirados Árabes Unidos intercetaram e destruíram “três ‘drones’ hostis” que entraram no seu espaço aéreo, revelou hoje o Ministério da Defesa daquele país, alvo de vários ataques de rebeldes iemenitas Huthis nas últimas semanas.


“O Ministério da Defesa anuncia a interceção e destruição, longe de áreas povoadas, de três ‘drones’ hostis que entraram no espaço aéreo [dos Emirados} na madrugada de hoje”, pode ler-se no comunicado divulgado na rede social Twitter.


O comunicado divulgado no início da madrugada de hoje não especificou quem lançou os ‘drones’, nem onde foram intercetados, mas a suspeita recai sobre os rebeldes iemenitas Huthis.


O governo dos Emirados Árabes Unidos assegurou ainda que está “pronto para enfrentar qualquer ameaça” e “tomar todas as medidas necessárias para proteger o Estado e o seu território”.


Os Emirados, que apoiam uma coligação militar liderada pela Arábia Saudita que combate no Iémen desde 2015, foram alvo de três ataques com mísseis e ‘drones’ em janeiro, um dos quais matou três trabalhadores migrantes.


O segundo ataque, a 24 de janeiro, visou a base aérea de Al-Dhafra onde estão estacionadas as forças norte-americanas, que intercetaram mísseis lançados pelos Huthis.


Os Huthis levaram a cabo várias operações contra a Arábia Saudita, mas o ataque de 17 de janeiro em Abu Dabi foi o primeiro reconhecido pelos Emirados dentro das suas fronteiras.


Este ataque foi seguido de uma série de bombardeamentos aéreos da coligação no Iémen e por ofensivas terrestres das forças governamentais contra os rebeldes Huthis.


Os Emirados retiraram as tropas do Iémen em 2019, mas continuam a ser um elemento influente no conflito.


Uma força paramilitar apoiada pelos EAU liderou este mês uma ofensiva que possibilitou ao Governo iemenita recapturar uma província do sul do país que estava sob o controlo dos rebeldes.


A guerra no Iémen matou 130.000 pessoas desde 2015, tanto civis como combatentes, e exacerbou a fome e a miséria em todo o país.



DMC (JRS) // PDF


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário