29 Janeiro 2022, 01:42

Encerramento de ruas da baixa de Ponta Delgada ao trânsito divide opiniões

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Ponta Delgada, Açores, 05 jan 2022 (Lusa) — A decisão da Câmara de Ponta Delgada de encerrar ao trânsito ruas do centro histórico da cidade não gera consenso entre munícipes e lojistas, que se dividem entre os benefícios para os peões e a penalização das vendas.


Fernanda Ferreira, uma das lojistas da baixa de Ponta Delgada, na ilha de São Miguel, considera que a decisão da autarquia “vai ser muito prejudicial para a economia” e que “vai haver muitos despedimentos”, a par do “encerramento de muitas atividades”, pelo que é apologista de que o trânsito automóvel deve manter-se a transitar no centro.


A empresária refere que esta opção não deveria ter sido concretizada no contexto de uma pandemia e na época de Natal, sublinhando que teria sido um “ponto muito importante ouvir antes os comerciantes”.


A Câmara de Ponta Delgada decidiu manter as alterações ao trânsito que estiveram em vigor durante a quadra festiva, tornando efetivo o encerramento à circulação automóvel de várias ruas do centro histórico.


O objetivo, segundo o presidente do executivo, Pedro Nascimento Cabral, é promover uma “cidade verdadeiramente sustentável do ponto de vista ambiental, social e económico”.


Outra lojista, Sabrina Costa, diz que com os carros a circularem na zona “as pessoas paravam na loja”, tendo “o negócio baixado muito” com a opção de fechar as ruas durante a época natalícia.


Rui Silva, das Lojas Conforto, com vários espaços no centro histórico, considera que o encerramento das ruas da baixa “será o fim de muitas empresas” e que “grande parte do tecido comercial, em muito pouco tempo, irá fechar”.


Para o empresário, “ao contrário do que se diz, [proibir a circulação automóvel] não é abrir Ponta Delgada às pessoas, mas fechar a cidade às pessoas”.


A maioria dos peões questionados pela Lusa concorda com o encerramento das ruas do centro histórico, entendendo que “será muito melhor para as pessoas circularem à vontade”, como refere Paulo Melo.


Na esplanada central de Ponta Delgada, Albano Cymbron usufrui de um café em dia de sol e assume que não tem uma opinião formada, porque ainda não percebeu o que se pretende fazer, mas reconhece que a ausência de automóveis promove uma melhor circulação dos peões.


O seu colega de mesa, Henrique Machado, subscreve a opinião: “Eles fecham, mas não dizem o que é que vão fazer.”


Se, por um lado, entende os motivos para o encerramento das ruas, também não deixa de considerar os argumentos dos comerciantes da baixa.


Em 14 de dezembro, um grupo de 50 comerciantes do centro histórico de Ponta Delgada entregou à Câmara Municipal um abaixo-assinado a pedir a “reabertura imediata” das ruas encerradas ao trânsito no período festivo.


Em 30 de dezembro, o município anunciou que recebeu um abaixo-assinado subscrito por 230 pessoas a apoiar a decisão de encerramento ao trânsito.


Esta não é uma questão recente, sendo que já existem ruas de solução mista de circulação de peões e automóveis, bem como outras que encerraram há várias décadas, tendo sido a questão agora recuperada pelo atual executivo.


O presidente do maior município dos Açores anunciou que a Câmara “vai promover o diálogo em parceria” com a Ordem dos Arquitetos para o “lançamento de um concurso de ideias destinado à requalificação do espaço urbano, agora definitivamente condicionado”.



JME (RPYP) // ROC



Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário