29 Janeiro 2022, 14:07

Endividamento do Estado, empresas e famílias sobe 1,1 mil ME para 765,6 mil ME – BdP

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Lisboa, 23 dez 2021 (Lusa) – O endividamento do setor não financeiro aumentou em 1,1 mil milhões de euros em outubro face a setembro, para 765,6 mil milhões de euros, anunciou hoje o Banco de Portugal (BdP).


“Em outubro, o endividamento do setor não financeiro (administrações públicas, empresas e particulares) aumentou 1,1 mil milhões de euros em relação ao mês anterior, para 765,6 mil milhões de euros”, avançou o supervisor em comunicado.


De acordo com o BdP, o endividamento do setor público (administrações públicas e empresas públicas) “aumentou marginalmente, 0,1 mil milhões de euros, para 345,3 mil milhões de euros”.


“Esta subida resultou, sobretudo, do crescimento do endividamento perante o setor financeiro e as próprias administrações públicas (1,9 e 0,3 mil milhões de euros, respetivamente), que foi compensado pela diminuição do endividamento junto do exterior (2,2 mil milhões de euros)”, pode ler-se na nota.


Já o endividamento do setor privado (empresas privadas e particulares) aumentou 1,0 mil milhões de euros, para 420,3 mil milhões de euros.


O endividamento das empresas privadas cresceu 0,6 mil milhões de euros e este aumento “deveu-se, principalmente, ao financiamento obtido junto do exterior, que foi em parte compensado pela redução do endividamento perante o setor financeiro”, explica o BdP.


O endividamento dos particulares subiu 0,4 mil milhões de euros e resultou no incremento do endividamento em relação ao setor financeiro.


Quanto às taxas de variação, em outubro, o endividamento total das empresas privadas cresceu 2,4% comparativamente ao mesmo mês de 2020, o que correspondeu a uma aceleração de 0,6 pontos percentuais (p.p.) em relação ao mês anterior.


O endividamento total dos particulares aumentou 3,2% relativamente ao período homólogo, mais 0,1 p.p. do que o verificado em setembro.


O banco central atualiza em 20 de janeiro de 2022 as estatísticas relativas ao endividamento do setor financeiro.



DF // CSJ


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário