08 Dezembro 2021, 15:05

Enfermeiros exigem fim da PPP do Hospital de Loures e carreira única de enfermagem

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Loures, Lisboa, 25 fev 2021 (Lusa) — O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) exigiu hoje que o Hospital Beatriz Ângelo, em Loures, passe a ser gerido pelo Ministério de Saúde a partir de janeiro de 2022 e que seja aplicada uma carreira única de enfermagem.


Em declarações à Lusa no exterior do hospital, no distrito de Lisboa, a coordenadora da direção regional de Lisboa do SEP, Isabel Barbosa, explicou que está previsto que no início do próximo ano o Beatriz Ângelo passe para a esfera do Governo, mas é intenção do executivo “fazer um novo concurso para uma nova gestão privada”.


Os enfermeiros entendem, porém, que a “gestão privada não favorece nem os enfermeiros, nem a população”, opondo-se a uma nova parceria público-privada (PPP).


Segundo Isabel Barbosa, há uma desigualdade de direitos entre as PPP e as unidades hospitalares sob gestão direta do Ministério da Saúde.


“Sabemos que a avaliação de desempenho que se aplica aqui é totalmente desequilibrada e discrimina muito os enfermeiros e, portanto, o desenvolvimento salarial em muitos dos casos. O que nós queremos é que se apliquem as mesmas regras, os mesmos direitos, que haja uma harmonização com todas as instituições do SNS [Serviço Nacional de Saúde]”, defendeu.


Além disso, “a carga horária é superior e os salários são inferiores”, acrescentou a coordenadora regional de Lisboa do SEP, que representava um conjunto de cerca de 10 sindicalistas que se juntaram hoje à porta do Hospital Beatriz Ângelo para exigir melhores condições de trabalho.


Isabel Barbosa referiu também a questão dos prémios atribuídos a alguns profissionais de saúde pelo combate à pandemia de covid-19, lamentando que os enfermeiros deste hospital, em regime de gestão público-privado, não tenham sido incluídos.


“Este hospital para umas coisas é considerado Serviço Nacional de Saúde, mas quando falamos em direitos dos enfermeiros já não é. Os enfermeiros sentem-se altamente desmotivados”, concluiu a enfermeira.



TYS // VAM



Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário