19 Setembro 2021, 15:17

Enquanto uns vão a Marte, há 600 de milhões de africanos sem eletricidade – ONU

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Washington, 15 jun 2021 (Lusa) – A vice-secretária-geral da Organização das Nações Unidas (ONU) para África, Cristina Duarte, lamentou hoje durante uma conferência sobre a recuperação económica, que enquanto “uns vão a Marte por divertimento”, haja 600 milhões de pessoas sem acesso a eletricidade.


Intervindo a seguir à diretora executiva do Fundo Monetário Internacional (FMI), a antiga ministra das Finanças de Cabo Verde elencou a energia, o livre comércio e a industrialização como os três principais fatores que podem mudar o continente africano e depois lamentou que “enquanto uns vão a Marte por divertimento, a África subsaariana tem 600 milhões de pessoas sem acesso a eletricidade”.


A antiga governante africana disse que para transformar as perturbações trazidas pela pandemia de covid-19 em oportunidades, é preciso apostar no capital humano africano, no financiamento para o desenvolvimento e na implementação do tratado de livre comércio, que promete desenvolver de forma muito significativa as relações comerciais entre os países do continente.


Além disso, continuou, é preciso reduzir a lista de prioridades, metas e objetivos, definindo as que têm um efeito mais multiplicador no desenvolvimento económico: “Temos de identificar claramente os ativos estratégicos, a Agenda 2063 tem dezenas de metas e objetivos, mas a energia, o livre comércio e a industrialização são os que têm um efeito mais multiplicador”, defendeu.


Antes, já Kristalina Georgieva tinha defendido a inclusão como uma ferramenta para o sucesso económico, admitindo que já antes da pandemia de covid-19 as desigualdades estavam a aumentar.


“A inclusão é um imperativo moral, as sociedades são mais fortes e o tecido produtivo é mais robusto quando as sociedades são mais inclusivas”, afirmou Georgieva, acrescentando que “agora é o momento para implementar as políticas que construam melhor um mundo mais justo e inclusivo, para benefício de todos”.



MBA // LFS


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário