05 Outubro 2022, 14:42

Entradas de russos na UE estão estáveis apesar de mobilização parcial — Frontex

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Bruxelas, 05 out 2022 (Lusa) — As entradas de cidadãos russos na União Europeia (UE) “permanecem estáveis” apesar do anúncio da Rússia de mobilização parcial de reservistas para a guerra da Ucrânia, anunciou hoje a Agência Europeia da Guarda de Fronteiras e Costeira (Frontex).


“Apesar da mobilização parcial anunciada pela Rússia, o fluxo regular de cidadãos russos nas fronteiras da UE permanece estável. Isto segue-se à implementação de várias restrições nas autorizações de residência e políticas de emissão de vistos a nível da UE, bem como de medidas unilaterais tomadas pelos países da União diretamente vizinhos da Rússia”, anuncia a Frontex numa informação hoje divulgada.


Duas semanas depois de o Presidente russo, Vladimir Putin, ter anunciado uma mobilização parcial de 300 mil reservistas em idade de combater, por considerar que o objetivo do Ocidente é destruir a Rússia, a Frontex revela que, entre 26 de setembro e 02 de outubro, “cerca de 53 mil cidadãos russos entraram na UE, menos 20% do que na semana anterior”.


“A maioria deles [dos russos que entraram na semana passada] atravessou pela Finlândia – mais de 29 mil -, que permaneceu durante um breve período o único país da UE que faz fronteira com a Rússia com o menor número de restrições após o anúncio de mobilização parcial”, aponta a agência europeia de guarda costeira no comunicado.


De acordo com a Frontex, a maioria dos russos está então a entrar na UE através de pontos de passagem fronteiriços finlandeses, mas, tal como na semana anterior, estes cidadãos possuem autorizações de residência ou vistos para Estados-membros da UE ou países associados de Schengen, enquanto outros têm dupla nacionalidade.


A estimativa desta entidade é que “a chegada de cidadãos russos à UE seja provavelmente limitada tanto do lado da UE por uma política mais rigorosa de vistos, como por medidas tomadas pela Rússia para dissuadir homens em idade de combater de deixar o país”.


Esta agência europeia ressalva, porém, que as travessias ilegais da Rússia para a UE poderão “aumentar perante um encerramento de fronteiras para potenciais recrutas”.


Em 19 de setembro, Polónia, Lituânia, Letónia e Estónia introduziram restrições à entrada de cidadãos russos que viajam exclusivamente para fins de turismo ou lazer, enquanto dias depois, em 28 de setembro, a Letónia anunciou uma situação de emergência nas zonas limítrofes da Rússia e todos os Estados-membros da região aumentaram a vigilância fronteiriça na fronteira russa.


O Presidente da Rússia, Vladimir Putin, anunciou em 21 de setembro passado uma mobilização parcial dos cidadãos do país, quando a guerra na Ucrânia está no sétimo mês do conflito.


A medida, que foi justificada com a necessidade de defender a soberania e a integridade territorial do país, abre caminho para uma escalada no conflito na Ucrânia.


A Rússia invadiu a Ucrânia em 24 de fevereiro passado.



ANE // CSJ


Lusa/fim

Sem comentários

deixar um comentário