09 Setembro 2022, 05:46

Entradas irregulares na UE sobem 86% para 155 mil deteções até julho

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Bruxelas, 12 ago 2022 (Lusa) — Um total de 155.090 entradas irregulares na União Europeia (UE) foram detetadas pela Agência Europeia da Guarda de Fronteiras e Costeira (Frontex) entre janeiro e julho, uma subida de 86 por cento face ao mesmo período de 2021.


Os dados hoje divulgados pela Frontex revelam que, “nos primeiros sete meses deste ano, houve cerca de 155.090 entradas irregulares para a UE, de acordo com cálculos preliminares, o que representa um aumento de 86% em comparação com o mesmo período do ano passado”.


A Frontex acrescenta que só em julho, as autoridades costeiras dos Estados-membros da UE registaram cerca de 34.570 entradas irregulares, mais 63% do que no mesmo mês em 2021.


Admitindo a “elevada pressão migratória”, a agência europeia indica que tem mais de 2.200 oficiais e pessoal permanente em várias secções da fronteira externa da UE, bem como na Albânia, Sérvia, Montenegro e Moldávia.


Por rotas migratórias, a dos Balcãs Ocidentais foi a mais ativa para a entrada na UE, representando 14.866 deteções em julho, quase três vezes mais do que no ano passado, acréscimo que a Frontex atribui a eventuais “repetidas tentativas de travessia por migrantes”.


Além disso, “a pressão continua também elevada na rota do Mediterrâneo Central, com as chegadas diárias a colocar pressão sobre as capacidades de acolhimento em Itália”, aponta a guarda costeira europeia, garantindo apoiar “as autoridades italianas com agentes para o registo e identificação das chegadas”.


Para estes números totais de travessias ilegais detetadas não contam as pessoas que fogem da guerra da Ucrânia, relativamente às quais a Frontex estima um total de 7,7 milhões de entradas na UE, embora um “número significativo” de ucranianos já tenha regressado ao seu país.


No que toca aos dados acumulados, a rota migratória mais procurada foi então a dos Balcãs Ocidentais, responsável por metade de todas as deteções com 70.770 travessias ilegais nos primeiros sete meses do ano, quase três vezes o total do mesmo período de 2021, principalmente de migrantes da Síria, Afeganistão e Turquia.


A segunda rota migratória mais procurada foi a do Mediterrâneo Central, na qual a Frontex registou entre janeiro e julho 42.549 passagens irregulares de fronteira, mais 44% do que no período homólogo do ano passado, principalmente de tunisinos, egípcios e líbios.


Também elevado foi o número de migrantes irregulares que procuravam atravessar o Canal em pequenas embarcações em direção ao Reino Unido, com cerca de 28.000 deteções nos primeiros sete meses de 2022, o que representa um aumento de 55% em relação ao mesmo período em 2021, com destaque para afegãos, iranianos e sírios.


Seguiu-se a rota do Mediterrâneo Oriental, com 22.601 chegadas (mais do dobro em relação ao ano passado), principalmente ao Chipre, com os migrantes a ser oriundos principalmente da Síria, Nigéria e Congo (Kinshasa).


Já na rota da África Ocidental foram registadas 9.461 deteções até julho, mais 25% do que no ano passado, na rota do Mediterrâneo Ocidental foram detetadas 6.434 travessias irregulares, menos 25% do que no ano passado, e na fronteira terrestre oriental houve um total de 2.923 travessias irregulares verificadas, menos 32% face ao período homólogo, conclui a Frontex.



ANE // APN


Lusa/fim

Sem comentários

deixar um comentário