08 Outubro 2022, 19:16

Erdogan diz que postura europeia levou Putin a usar gás contra sanções

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



O Presidente da Turquia afirmou hoje que a crise de gás na Europa é o resultado de uma política europeia de fazer frente ao chefe de Estado russo, Vladimir Putin, levando-o a utilizar esta matéria-prima como arma.

“Claro, a Europa colhe o que semeou. Desde logo, a postura da Europa contra Putin, com a imposição das sanções, levaram Putin, quer queira quer não, ao ponto de dizer: ‘se fizerem isso, eu farei isto'”, afirmou Recep Tayyip Erdogan.

“Putin usa todas as possibilidades e armas à sua disposição. Uma das mais importantes é o gás natural”, acrescentou o chefe de Estado turco numa conferência de imprensa no aeroporto de Ancara, momentos antes de partir para uma visita oficial a Sarajevo, capital da Bósnia-Herzegovina.

E concluiu: “É lamentável, não queríamos, mas isto está a acontecer e acho que, neste inverno, a Europa vai ter problemas realmente sérios. Nós, na Turquia, não teremos esse problema”.

A Turquia não aderiu às sanções internacionais contra Moscovo, impostas como resultado da invasão russa da Ucrânia, iniciada em fevereiro passado, e mantém boas relações com os Governos russo e ucraniano.

Ancara pronunciou-se claramente contra a invasão russa e a favor da integridade territorial da Ucrânia, incluindo a península da Crimeia (anexada pela Rússia em 2014), mas, ao mesmo tempo, efetuou numerosos esforços de mediação entre os beligerantes.

Em agosto, Erdogan encontrou-se primeiro com Putin na cidade russa de Sochi e, duas semanas depois, com o homólogo ucraniano, Volodymyr Zelensky, em Lviv.

Antes, em julho, a diplomacia turca teve um importante papel no desbloqueio da exportação de cereais ucranianos e de fertilizantes russos, com Istambul a servir de cenário para a assinatura de acordos sobre a exportação de cereais e de produtos agrícolas através do Mar Negro, firmados pela Ucrânia, Rússia, Turquia e as Nações Unidas.

Sem comentários

deixar um comentário