08 Outubro 2022, 11:20

Ex-assessor de Trump entrega-se à procuradoria de Nova Iorque

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



O antigo assessor do ex-Presidente dos EUA Donald Trump, Stephen Bannon, entregou-se hoje à procuradoria distrital de Manhattan, Nova Iorque, sendo provável que venha a ser sujeito a medidas judiciais ainda hoje.

Para já, as acusações contra Bannon são desconhecidas, mas os ‘media’ locais noticiam que o processo pode estar relacionado com o seu trabalho na campanha We Build The Wall, uma operação de angariação de fundos para ajudar a cumprir a promessa de Trump de construir um muro ao longo da fronteira entre os EUA e o México.

Antes de entrar no escritório do procurador distrital de Manhattan, onde se entregou, Bannon descreveu a situação aos repórteres como “uma ironia”, dizendo estar a ser perseguido por tentar impedir a imigração ilegal, que é criminosa.

Em fevereiro do ano passado, a procuradoria de Nova York iniciou uma investigação contra o polémico ex-assessor de Trump por alegada fraude contra doadores de fundos para construir o muro na fronteira com o México, após ser perdoado pelo ex-Presidente, horas antes de deixar a Casa Branca.

O perdão “cautelar” concedido por Trump aplica-se a possíveis crimes federais, mas não a crimes estaduais, pelo que Bannon pode vir a ser acusado neste caso.

Em julho passado, Bannon foi considerado culpado de desacato ao Congresso, ato pelo qual pode ser condenado a até um ano de cadeia e uma multa de até 200.000 dólares (o mesmo valor em euros).

Sem comentários

deixar um comentário