22 Outubro 2021, 08:15

Ex-presidente das Maldivas vítima de atentado foi transferido para a Alemanha

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Malé, 13 mai 2021 (Lusa) – O ex-presidente das Maldivas, Mohamed Nasheed, vítima de um atentado na semana passada, foi transportado hoje para a Alemanha onde vai continuar a reabilitação depois de ter recebido alta do hospital de Malé onde se encontrava.


“Hoje demos alta hospitalar ao (ex) presidente Nasheed. Enquanto viaja para o estrangeiro para continuar a reabilitação e recuperação, a gerência e os empregados do hospital desejam um rápido regresso com saúde”, anunciou o hospital ADK através da rede social Twitter.


Um irmão do ex-presidente, Nazim Abdul Sattar, disse que Nasheed partiu para a Alemanha para “continuar o tratamento”, acrescentando desconhecer quantos dias vai permanecer no estrangeiro.


Utilizadores das redes sociais difundiram imagens da ambulância, escoltada pelas forças de segurança, no momento em que abandonava o hospital em direção ao aeroporto de Malé.


Um registo vídeo foi difundido por Eva Adullah, vice-presidente do Parlamento das Maldivas.


A partida de Nasheed, o primeiro chefe de Estado eleito democraticamente no país e atual presidente do Parlamento, ocorre uma semana depois do atentado bombista de que foi vítima quando saía de casa de automóvel. 


O ex-presidente ficou gravemente ferido e teve de ser submetido a uma intervenção cirúrgica de mais de 16 horas, além de outras operações para a extração de 11 esferas de rolamentos usadas no artefacto explosivo. 


Um dos estilhaços (esfera) atingiu-o junto ao coração. 


Quatro outras pessoas ficaram feridas no mesmo atentado: três guarda-costas e um cidadão britânico sobre quem não se conhecem detalhes. 


Durante o fim de semana, a polícia das Maldivas deteve três suspeitos, entre os quais Ad’ham Ahmed Rasheed, 25 anos, acusado de ter ativado a bomba colocada num motociclo que explodiu à passagem do veículo de Nasheed.


As investigações continuam, disse hoje em conferência de imprensa um responsável da Polícia, anunciando que foram encontradas provas que relacionam o “ataque a extremistas”.


Mesmo assim, não foram desenvolvidas as informações sobre as especulações que referem que se tratou de um atentado de radicais islâmicos.


Apesar de o atentado não ter sido reivindicado, Nasheed já foi alvo de extremistas islâmicos no passado que o consideram “inimigo do Islão” por causa das ideias liberais que defende para o país.


Primeiro presidente eleito democraticamente nas Maldivas, Nasheed viu-se obrigado a renunciar em 2012 e três anos depois foi condenado a 13 anos de prisão devido à detenção ilegal de um juiz durante o mandato presidencial, no contexto de um processo mediático.


Depois de um ano na cadeia, em 2016 conseguiu uma autorização para viajar para Londres, por razões de saúde, e pediu depois asilo político ao Reino Unido.


Em finais de 2018, após dois anos de exílio e coincidindo com a vitória eleitoral do partido a que pertence, Nasheed regressou ao arquipélago tendo sido absolvido de todos os delitos pelo Supremo Tribunal de Malé.


 


PSP // FPA


Lusa/fim

Sem comentários

deixar um comentário