08 Outubro 2022, 08:41

Exército russo envia reforços para Kharkiv depois de contraofensiva ucraniana

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



O exército da Rússia enviou reforços militares, entre os quais veículos blindados e canhões, para a região de Kharkiv, no leste da Ucrânia, onde as forças ucranianas estão a fazer uma contraofensiva, divulgaram hoje as agências noticiosas russas.

Segundo a France-Presse (AFP), as agências russas publicaram imagens do Ministério da Defesa russo que mostram estes reforços em trânsito em direção à região de Kharkiv, apesar de não ter sido feito no imediato qualquer anúncio oficial.

Este envio de reforços militares surge numa altura em que as forças da Ucrânia dizem que fizeram avanços na região de Kharkiv.

Citando a entrevista de um funcionário russo a uma televisão do país, é dado conta que decorrem “lutas ferozes” em torno da cidade de Balakliya, que Kiev anunciou na quinta-feira que conseguiu recuperar aos russos.

“Nós não controlamos mais Balakliya. Estão em andamento tentativas de desalojar as forças ucranianas, mas a luta lá é feroz e as nossas tropas estão retidas nos arredores da cidade”, disse Vitali Gantchev.

A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de mais de 13 milhões de pessoas — mais de seis milhões de deslocados internos e mais de sete milhões para os países europeus -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A invasão russa — justificada por Putin com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia – foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

A ONU apresentou como confirmados desde o início da guerra mais de 5.700 civis mortos e cerca de 8.100 feridos, sublinhando que estes números estão muito aquém dos reais.

Sem comentários

deixar um comentário