29 Janeiro 2022, 10:21

ExpoDubai: Pavilhão de Portugal conta com “mais de 300 mil visitantes”

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Lisboa, 09 jan 2022 (Lusa) – O comissário-geral de Portugal para a Expo faz, em entrevista à Lusa, um “balanço muito positivo” da presença de Portugal na exposição mundial do Dubai, tendo o Pavilhão de Portugal registado “mais de 300 mil visitantes”.


A Expo 2020 Dubai arrancou em outubro e, nestes três meses, Luís Castro Henriques faz um “balanço muito positivo” da presença portuguesa.


“Já tivemos mais de 300 mil visitantes à data de hoje, de facto o Pavilhão tem tido muita notoriedade, tem tido muita procura, o ‘feedback’ que temos tido dos visitantes é muito interessante, porque não só a componente imersiva é impressionante, mas também a parte personalizada”, prossegue o também presidente da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP).


Luís Castro Henriques relata que os visitantes saem do Pavilhão de Portugal a afirmar: “Ah, engraçado, eu aprendi qualquer coisa sobre Portugal que não estava à espera”.


Para o responsável, isso demonstra “muito interesse, sobretudo de pessoas que nunca visitaram Portugal” e que depois de estarem no Pavilhão de Portugal manifestam intenção de visitar o país.


“Portanto, isso é um bom resultado”, salienta.


Além disso, “tivemos três meses plenos de atividades, tivemos várias semanas temáticas, tivemos vários artistas, desde momentos musicais, temos também um conjunto de peças decorativas no próprio pavilhão de vários artistas”, entre as quais a Joana Vasconcelos, “que, de facto, surpreendem as pessoas, as pessoas gostam”, sublinha Luís Castro Henriques.


“Também temos tido muita procura e muitas visitas na loja, o apelo aos bons produtos portugueses”, aponta o comissário-geral.


Recentemente, o Pavilhão de Portugal foi alvo de uma inundação devido às intensas chuvas que se fizeram sentir no Dubai.


“Está completamente resolvida, houve uma tempestade muito grande e inesperada, muito maior do que seria de esperar, e que afetou o sistema elétrico”, explica Luís Castro Henriques.


Por motivos, sobretudo de segurança, teve de ser encerrado o conteúdo expositivo, já que é todo digital, durante três dias.


No entanto, o Pavilhão de Portugal “nunca fechou” e esteve a receber pessoas, onde foi explicado o que se estava a passar.


“À data de hoje está tudo aberto e tudo a funcionar”, remata.


Com o mote “Portugal, um mundo num país”, o Pavilhão de Portugal conta com uma área de 1.800 metros quadrados, onde não falta a calçada portuguesa, cadeiras e candeeiros em cortiça, azulejos, um terraço com oliveiras e uma ‘concept store’, que pretende ser uma ’embaixada’ transacional de promoção de marcas e produtos portugueses, com mais de 170 produtos distintivos.


O pavilhão, que tem como inspiração uma caravela, é um projeto resultante da parceria entre o Grupo Casais e o ateliê Saraiva + Associados, e está situado no distrito da sustentabilidade da Expo, uma das três áreas temáticas.


A Expo Dubai, que termina em 31 de março, é o primeiro grande mega evento desde o início da pandemia onde são esperados 25 milhões de visitantes.


Reúne mais de 200 participantes, incluindo 192 países, como também organizações multilaterais, empresas e estabelecimentos de ensino durante 182 dias.


Localizado no sul do Dubai, o local conta com 4,38 quilómetros quadrados, dos quais cerca de dois quilómetros quadrados são área fechada.


O “coração” da Expo é a praça Al Wasl, que conta com uma cúpula de 130 metros de largura e 67,5 metros de altura, que engloba um espaço de 724.000 metros cúbicos, segundo dados da organização. Tal corresponde ao volume de quase 300 piscinas olímpicas — e é mais alto do que a Torre de Pisa.


O projeto conta com 13,6 quilómetros de aço, o equivalente à altura de 16 Burj Khalifas (a torre mais alta do mundo, com 828 metros, que fica no Dubai), pesa 2.544 toneladas, o mesmo que 25 baleias azuis e é quase tão largo quanto dois aviões Airbus A380 alinhados asa a asa.


As três áreas temáticas da Expo 2020, oportunidade, mobilidade e sustentabilidade, apresentam-se em forma de pétalas, as quais convergem na praça Al Wasl.



ALU // EA


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário