18 Outubro 2021, 11:00

Exportações portuguesas de têxteis e vestuário sobem 3% no 1.º trimestre

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Redação, 10 mai 2021 (Lusa) — As exportações de têxteis e vestuário aumentaram 26,5% em março em termos homólogos e 4% face a março de 2019, acumulando uma subida homóloga de 3%, para 1.315 milhões de euros, no primeiro trimestre, segundo a associação setorial.


“A contribuir para este bom resultado do trimestre há a destacar o aumento verificado nas exportações de roupas de cama, mesa, toucador ou cozinha, de camisolas e pulôveres de malha, de fatos, casacos, vestidos, saias, calças de malha, de uso feminino, de ‘t-shirts’ e de artefactos têxteis confecionados, onde se encontram, entre outros, as máscaras têxteis”, refere a Associação Têxtil e Vestuário de Portugal (ATP) em comunicado.


Tendo por base dados divulgados hoje pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), a ATP reporta, no entanto, que até março as exportações de vestuário em tecido continuam a registar uma quebra de 21% e as de matérias têxteis uma diminuição de 0,3%.


O mercado francês voltou a destacar-se no primeiro trimestre como o destino com maior crescimento em termos absolutos, com um acréscimo de 33 milhões de euros, ou seja, +18,6%.


Já os EUA consolidaram a quarta posição no ‘ranking’ dos principais destinos (trocaram de lugar com o Reino Unido), sendo igualmente um dos destinos que registou maior crescimento absoluto (mais oito milhões de euros, equivalente a +9%).


A Espanha continuou a ser o destino mais afetado, com uma perda de 39 milhões de euros no trimestre (equivalente a -11%).


No que se refere às importações de têxteis e vestuário, somaram 806 milhões de euros no primeiro trimestre, apresentando uma quebra de 21% que afetou quer os têxteis, quer o vestuário.


As exceções foram a categoria de produtos onde se encontram os falsos tecidos (que aumentaram o valor importado em 14%, com um acréscimo de 2,5 milhões de euros) e a categoria de produtos artefactos têxteis confecionados, onde se encontram as máscaras sociais, que registou um aumento de 110%, equivalente a mais 21,5 milhões de euros.


A ATP nota que os dados do mês de março revelam ainda um crescimento nas importações de certas matérias-primas têxteis – como as outras fibras têxteis vegetais (+52%) e as fibras sintéticas ou artificiais descontínuas (+16%) — “revelando sinais de maior dinamismo na atividade da indústria”.


No primeiro trimestre deste ano, a balança comercial dos têxteis e vestuário registou um saldo positivo de 509 milhões de euros e uma taxa de cobertura de 163%.



PD // EA


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário