07 Outubro 2022, 07:09

Farmacêutica de Santo Tirso e médico acusados de burlarem SNS em 100 mil euros

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

O Serviço Nacional de Saúde (SNS) foi burlado em mais de 100 mil euros num esquema de receitas fraudulentas envolvendo uma farmacêutica de Santo Tirso e um médico, segundo uma acusação do Ministério Público.

Em causa está a alegada prática, em coautoria, de um crime de burla qualificada, dois de falsidade informática e um de falsificação.

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



Os factos do processo ocorrem durante mais de três anos e meio, de janeiro de 2012 a outubro de 2015, e centram-se na atividade farmacêutica que a arguida desenvolvia através de uma sociedade, em Vila das Aves, Santo Tirso.

Segundo a acusação, o médico emitia receitas fraudulentas, que não correspondiam a qualquer prescrição real, “utilizando para isso dados dos seus próprios pacientes constantes de bases de dados a que tinha acesso”.

Prescrevia medicamentos “com custo de aquisição dispendioso e com elevada taxa de comparticipação do SNS”, indica o despacho do Ministério Público, citado em nota da Procuradoria-Geral Distrital do Porto.

As receitas eram depois entregues à farmacêutica, que as apresentava ao SNS para pagamento da comparticipação “como se tivessem sido efetivamente aviadas a cliente da farmácia”, no valor global de 100.813,35 euros.

Sem comentários

deixar um comentário