06 Julho 2022, 04:52

Feira do Livro de Guadalajara homenageia José Saramago com maratona de leitura

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Redação, 25 mar 2022 (Lusa) – A Feira Internacional do Livro de Guadalajara vai dedicar o Dia Mundial do Livro ao escritor português José Saramago, homenageando-o através de uma maratona de leitura em voz alta do “Ensaio sobre a cegueira”, anunciou hoje a organização.


Com a leitura daquela que é uma das obras fundamentais do Prémio Nobel da Literatura português, no dia 23 de abril, no Paseo Fray Antonio Alcalde, a Feira Internacional do Livro (FIL) marca o arranque do programa Guadalajara, Capital Mundial do Livro 2022, designação concedida à cidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO, na sigla em inglês).


Deste modo, a feira do livro presta homenagem a José Saramago, no centenário do seu nascimento, e simultaneamente celebra vinte anos de atividades em praças públicas de Guadalajara no Dia Mundial do Livro.


A maratona de leitura em voz alta decorrerá entre 10:00 às 17:00, e os interessados em ler um fragmento da obra deverão registar-se no próprio dia, no local, num dos módulos que a FIL Guadalajara vai criar para o efeito.


Cada participante receberá uma rosa e um exemplar do livro, uma iniciativa que conta com o apoio da editora Penguin Random House, e que faz parte da tradição de Saint Jordi, que inspira a celebração do Dia Mundial do Livro.


Tal como nos anos anteriores, o sistema de ensino secundário e superior e a Biblioteca Universitária da Universidade de Guadalajara realizarão leituras em diferentes locais, entre 25 e 29 de abril, assim como a rede estatal de bibliotecas públicas de Jalisco também se juntará à celebração, com leituras do livro de José Saramago nos seus espaços.


A FIL Niños, um espaço infantil da feira, levará a “imprensa subversiva” até às crianças, no dia 23, com uma unidade móvel, equipada com uma impressora, em que os participantes podem criar cartazes baseados em dez princípios: ajudar, apoiar, copiar o que é belo, trabalhar, estudar, amar, proteger, cultivar, não ter escravos e trabalhar.


Através de uma série de oficinas, as crianças poderão experimentar impressoras, linguagem e construção de mensagens que expressem os seus desejos e proponham formas de convivência livres de violência na sua comunidade.


A imprensa gráfica subversiva também faz parte de Guadalajara, e de abril a junho ocupará vários espaços públicos na cidade.


Durante a leitura do dia 23 de abril, será também montada no Paseo Alcalde uma área de exposição e venda de livros, com a presença de várias editoras e grupos editoriais.


O Dia Mundial do Livro é uma celebração criada em 1995 pela UNESCO.


Desde 2002, a FIL Guadalajara celebra este dia com uma leitura pública em voz alta, sendo esta a primeira vez que é escolhido um escritor português.


Nestas maratonas, que para além de Guadalajara se estendem a outros municípios de Jalisco, já foram lidas obras de Juan José Arreola (2002, 2011 e 2018), Julio Cortázar (2003), Pablo Neruda (2004), Julio Verne (2005), Jorge Luis Borges (2006), Gabriel García Márquez (2007), Agustín Yáñez (2008), Horacio Quiroga (2009), Jorge Ibargüengoitia (2010), Bram Stoker (2012), Jane Austen (2013), José Emilio Pacheco (2014), Lewis Carroll (2015), Mary Shelley (2016), Ignacio Padilla (2017), Fernando del Paso (2019), Ray Bradbury (2020) e Augusto Monterroso (2021).



AL // TDI


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário