04 Dezembro 2021, 04:24

Ferro considera que portugueses recuperaram o orgulho numa democracia “sem mordaças”

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Lisboa, 09 mar 2021 (Lusa) – O presidente da Assembleia da República considerou hoje que os cinco anos do primeiro mandato presidencial de Marcelo Rebelo de Sousa foram “repletos de momentos marcantes”, com os cidadãos a recuperaram o orgulho numa democracia “sem mordaças”.


“Os cinco anos de mandato de vossa excelência foram repletos de momentos marcantes”, declarou Ferro Rodrigues a meio do seu discurso, dirigindo-se a Marcelo Rebelo de Sousa, momentos antes de este ser empossado pela segunda vez no cargo de Presidente da República.


Nesta parte do seu discurso, com o primeiro-ministro, António Costa a ouvi-lo, o presidente da Assembleia da República elogiou o papel “moderador” desempenhado por Marcelo Rebelo de Sousa e referiu que, desde 09 de março de 2016, se assistiu em Portugal à “reposição de direitos e garantias que haviam sido retirados na sequência da intervenção da troika”, mas também a um “esvaziamento da tensão social e até institucional que existia”, com o país a entrar “numa trajetória positiva, superando com êxito a grave crise económica e financeira que até então se vivia e conseguindo mesmo o primeiro excedente orçamental em democracia”.


“Também em termos internacionais, foram assinaláveis os sucessos alcançados, nas frentes diplomática, cultural e desportiva. Neste particular, não poderia deixar de recordar a eleição de António Guterres como secretário-geral das Nações Unidas, eleição que se deveu às muitas e diversificadas qualidades do candidato, mas, igualmente, do prestígio de que beneficiamos, enquanto povo e enquanto nação de matriz universal”, advogou.


De acordo com Ferro Rodrigues, nos últimos cinco anos, “Portugal recuperou prestígio, tornou-se uma referência e um destino preferencial”.


“E nós retomámos o orgulho de sermos Portugueses. A estes sucessos não foi alheio o prestimoso contributo de vossa excelência. Durante estes anos, realizaram-se, em normalidade democrática, eleições legislativas, regionais e autárquicas, bem como europeias, tendo, em alguns casos, resultado reconfigurações do panorama político, com o surgimento de novas forças políticas”, defendeu.


Do ponto de vista do regime, segundo o antigo líder do PS, a democracia “tornou-se mais diversa e inclusiva, com uma representatividade acrescida, reveladora de um Portugal com um pleno sentido da liberdade, sem restrições ou mordaças”.


“Infelizmente, verificaram-se também alguns acontecimentos particularmente dramáticos, que testaram as nossas capacidades políticas e mesmo éticas”, contrapôs, numa alusão aos incêndios de 2017 e a pandemia de covid-19,


“A estas catástrofes foi, porém, possível evitar somar uma crise política, a qual teria sérias consequências, não só a nível interno, mas também ao nível da imagem externa de Portugal. O papel moderador que vossa excelência desempenhou em ambas as situações – sob grande pressão, sublinhe-se – foi crucial para garantir estabilidade política e assegurar o regular funcionamento das instituições”, frisou o presidente da Assembleia da República.


Para Ferro Rodrigues, nos próximos tempos, o parlamento “terá um papel essencial” no sentido de “garantir a boa utilização dos dinheiros públicos e dos fundos europeus, que a recuperação prevista não deixe ninguém para trás, que sejam asseguradas mais oportunidades de ascensão social sem a qual não há desenvolvimento”.


“Neste desafio, Portugal conta com a solidariedade e o contributo da União Europeia, que tem tido um papel fundamental na articulação e na mobilização dos meios necessários para uma resposta europeia comum ao surto de coronavírus, não só na saúde pública, mas também na redução do impacto socioeconómico devastador desta pandemia”, acrescentou.



PMF // JPS


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário