24 Setembro 2021, 16:31

Festival PARApeito leva Cultura ao domicílio de pessoas em isolamento físico e social

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

O festival PARApeito, criado em contexto de pandemia, leva espetáculos ao domicílio de pessoas em contexto de isolamento físico ou social, mas também a escolas, aproximando a Cultura do indivíduo e criando condições para os artistas poderem trabalhar.

Em abril do ano passado, com o país em confinamento, a diretora da associação Lugar Específico, Susana Alves, ao ver “tudo a ir ao domicílio” dos portugueses achou que seria interessante levar também Arte e Cultura.

Criou um projeto de festival, concorreu ao Fundo de Emergência Social da Câmara Municipal de Lisboa, e no final do ano passado acontecia a 1.ª edição do PARAPeito.

O nome tem duas interpretações: “a ideia de se levar Cultura a um lugar onde as pessoas estão protegidas atrás do seu parapeito”, mas também “levar algo para o peito” de quem assiste aos espetáculos.

“O PARAPeito é isso, a possibilidade de fazer um festival, cumprindo as regras e indo ao encontro das pessoas que estiveram mais fragilizadas e mais isoladas durante esta temporada. E, por outro lado, criar condições para os artistas poderem trabalhar”, explicou Susana Alves à agência Lusa.

Na primeira edição, em novembro e dezembro, a Lugar Especifico conseguiu levar espetáculos, de quatro artistas, aos hospitais de Santa Maria e Pulido Valente, à Casa Acreditar e ao Instituto Português de Oncologia (IPO).

Na segunda edição, a decorrer até ao final de junho, o festival volta ao Santa Maria e ao Pulido Valente e à Casa Acreditar, mas chega também a centros de dia, escolas primárias, a uma casa de acolhimento e ao Hospital Júlio de Matos.

A Lusa acompanhou uma das apresentações, na casa-lar de acolhimento de crianças e jovens da Fundação António Luís Oliveira.

A nível técnico, o festival é “o mais simples possível”. “Temos uma coluna portátil, não precisamos de eletricidade, e temos um número limitado de artistas, no máximo três, para limitar o número de pessoas que entra [nos locais]. Se for preciso a organização não entra, o nosso trabalho foi permitir este encontro”, salientou Susana Alves.

Às crianças e jovens que vivem atualmente na casa-lar de acolhimento, com idades entre os 12 e os 18 anos, a Lugar Específico decidiu levar “um apontamento de um espetáculo” de novo circo, da Circo Caótico, do Porto.

Os artistas de circo Daniel e Mafalda apresentaram, no pátio da casa-lar, em Campolide, o início de um espetáculo, “Raiz”, que irão estrear em agosto nas Caldas da Rainha. Mas os dois não se limitaram a atuar, no final houve espaço para uma conversa com os jovens, que, entre outras coisas, quiseram saber há quanto tempo Daniel e Mafalda praticam acrobacias, quantas horas por dia o fazem ou em que é que se inspiraram para criar o espetáculo.

No caso da casa-lar de acolhimento, bem como de outros locais onde o PARApeito tem chegado, a ideia não é substituir a ida a um espetáculo, “mas pode ser um trabalho prévio de aproximação, valorização”. “É uma semente para que haja essa aproximação e ela seja mais natural”, referiu Susana Alves.

Na plateia, improvisada com cadeiras da casa, estavam alguns dos 25 jovens que atualmente vivem naquele espaço. Havia também familiares, que os responsáveis da casa instaram os miúdos a convidar.

A diretora técnica da Fundação António Luís de Oliveira, Sílvia Barros, defende “a educação através das práticas artísticas”, já levou vários jovens a espetáculos e naquela casa “todos têm que ter uma atividade, física ou de outro nível lúdico-pedagógico”, além das aulas que frequentam em escolas da zona.

“Tive um acidente feliz, que foi cruzar-me com o Lugar Especifico, que percebeu do que estava a falar, da necessidade que gostava de incutir a cada um deles”, contou à Lusa.

A responsável acredita que o contacto dos jovens com o PARApeito “há de dar frutos futuramente”, até porque “é mais do que assistir [a um espetáculo]”.

“Além da apresentação, é extremamente importante que os nossos jovens contactem com as pessoas que são intervenientes, porque desta partilha e desta troca de experiências, particularmente quando os agentes são de idades próximas deles, fica sempre uma vontade de conhecer”, referiu.

Sílvia Barros contou que no ano passado a casa-lar acolheu outro espetáculo “e já começa a haver o impacto e a repercussão destas pequeninas atividades”.

“Na minha perceção, vai sempre ficando qualquer coisa e ficar qualquer coisa não é algo que terá uma alteração amanhã, mas terá alteração mais ao longo da vida e essa é uma das características que temos no nosso acolhimento, como os envolver, porque não é uma tarefa nada fácil”, partilhou.

A casa-lar ocupa o primeiro e o segundo andares — um piso de rapazes e outro de raparigas – de um prédio moderno. Além dos quartos, há espaços comuns: cozinha, salas de estar, biblioteca, sala de expressões, e serviços administrativos e que fazem apoio.

A média de tempo que os jovens passam ali “não são tempos curtos”. “Uma jovem que saiu em março esteve em acolhimento durante nove anos”, contou.

O acolhimento de crianças e jovens em risco “é uma área complexa que cada um tenta fazer o melhor, mas que está ainda muito fechada à comunidade”.

Numa tentativa de a abrir mais à comunidade, os jovens puderam convidar colegas de escola para irem assistir ao espetáculo e os vizinhos que habitam nos outros andares foram também convidados. Pelo menos três apareceram à janela.

“Isto era uma casa térrea que foi transformada e passou a ser um prédio, não é um edificado que esteja isolado, está dentro da comunidade. Daí também a importância de contactarem com atividades que permitam ter contacto com outras realidades”, referiu Sílvia Barros.

Em junho, a casa-lar vai receber mais um espetáculo do PARApeito, desta vez de dança.

Embora o festival PARApeito tenha surgido em tempos de pandemia, a ideia de Susana Alves é que continue.

“Não há muitas necessidades a nível de espaço, de recursos. Esta possibilidade de nos encaixarmos onde é possível e onde é preciso, eu acho que faz muito sentido continuar”, disse.

 

Sem comentários

deixar um comentário