08 Outubro 2022, 09:21

Filme “Lobo e Cão” de Cláudia Varejão conquista prémio em Veneza

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



O filme “Lobo e Cão”, de Cláudia Varejão, conquistou o prémio principal da competição “Dias dos Autores”, paralela ao Festival Internacional de Cinema de Veneza, anunciou hoje o júri.

O júri foi presidido pela realizadora Céline Sciamma, com a colaboração de Karel Och, e classificou o filme como “hipnotizante” e “importante”, numa sessão de deliberação transmitida ‘online’.

“Lobo e Cão” foi rodado em São Miguel, nos Açores, onde a realizadora Cláudia Varejão tinha estado em 2016, em residência artística, no Pico do Refúgio.

Aquele espaço, situado em Rabo de Peixe, proporcionou-lhe “uma primeira entrada na ilha por uma vila muito particular, com características muito singulares, muito difíceis, socialmente, economicamente, a vários níveis”, contou a realizadora à agência Lusa no início de 2021, nos Açores.

O filme “foi escrito a partir da experiência de uma série de jovens que conheci aqui na ilha, da minha própria experiência de quando fui jovem, e que ainda tenho em mim — trazemos todas a idades dentro de nós”, disse.

Segundo Cláudia Varejão, o filme aborda questões humanas “que têm um pulsar muito visível e muito forte na juventude”, nomeadamente “a sexualidade, o desejo de transgredir — e transgredir, seja socialmente, como o próprio território, portanto, atravessar a linha do horizonte –, as questões emocionais e afetivas, as questões profissionais, as questões familiares, as questões morais”.

“Lobo e Cão”, rodado com elenco local, ganha ainda uma outra dimensão, por mostrar “como é que é ser jovem num território cercado pelo mar e, nestes contextos em particular, contextos com bastantes dificuldades económicas e sociais, a ideia de atingir outros lugares, outros conhecimentos, para concretizar o sonho, está mais comprometida”.

Cláudia Varejão é autora de curtas e longas-metragens, entre as quais “Falta-me”, “Luz da Manhã”, “No Escuro do Cinema Descalço os Sapatos”, sobre a Companhia Nacional de Bailado, e os recentes “Ama-san”, rodado no Japão, e “Amor Fati”.

“Lobo e Cão” é uma produção da Terratreme com a francesa La Belle Affaire.

O Festival de Cinema de Veneza, que contou ainda com o filme “A noiva”, de Sérgio Tréfaut, na competição da secção “Horizontes”, termina no sábado.

Sem comentários

deixar um comentário