07 Outubro 2022, 07:11

Fogo em Odemira com duas frentes ativas e casas dispersas como “pontos sensíveis”

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



O incêndio que lavra, há três horas, no concelho de Odemira (Beja) tem duas frentes ativas e evolui “com alguma intensidade”, devido ao vento, existindo algumas casas dispersas, disse à agência Lusa a Proteção Civil.

Segundo fonte do Comando Nacional de Operações da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), contactada pela Lusa, as 14:50, “existem alguns pontos sensíveis” na zona “onde o incêndio está a evoluir”, que são, precisamente, “algumas habitações dispersas”.

“Neste momento, não temos conhecimento de habitações que tenham de ter sido evacuadas, no entanto, há meios que já estão dispersos por esses pontos sensíveis para fazer a prevenção e proteção dos mesmos”, disse.

A mesma fonte explicou que o incêndio, cujo alerta foi dado às 12:05 e que deflagrou na zona de Medronheira, na freguesia de São Teotónio, Odemira, “está ativo e a arder com alguma intensidade em zona de mato, sobreiro e eucaliptos”.

“É um incêndio que, neste momento, se desenvolve com duas frente ativas”, disse, referindo que, a essa hora, estavam empenhados 149 operacionais, 10 meios aéreos e 41 veículos de apoio.

Este dispositivo está a ser reforçado com “meios de Setúbal, Évora e Faro, que vão a caminho do local”, acrescentou.

Naquela zona “faz-se sentir algum vento” e esse fator tem sido o que “está a dificultar” o combate”, porque, apesar de ser área de serra, “não é muito elevada” e até “tem bons acessos”.

Igualmente contactado pela Lusa, o presidente da Câmara de Odemira, Hélder Guerreiro, confirmou que a zona atingida pelo fogo “tem algumas habitações dispersas”, mas, no caso de ser preciso avançar com evacuações “já existe um pavilhão em São Teotónio de prontidão”.

“E temos os meios todos prontos para, se acontecer alguma coisa, podermos agir”, disse, realçando, contudo, que, até agora, “não foi preciso evacuar casas”.

Sem comentários

deixar um comentário