15 Maio 2022, 07:55

França/Eleições: PM britânico destaca colaboração com Emmanuel Macron

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Londres, 25 abr 2022 (Lusa) — O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, destacou hoje a sua união com o Presidente francês, Emmanuel Macron, em importantes questões internacionais, como a crise ucraniana.


Em declarações à comunicação social em Bury, no norte de Inglaterra, após a reeleição de Macron, Johnson, citado pela Efe, disse ser “muito importante” haver “um Presidente da República francesa em quem se possa confiar quando se trata de algumas questões internacionais mais importantes”, destacando “o que se está a passar na Ucrânia”.


Sublinhando que não podia comentar as eleições presidenciais francesas, cuja segunda volta decorreu no domingo e que concedeu a Macron um segundo mandato, Boris Johnson destacou o trabalho que tem feito com o chefe de Estado “na Ucrânia nas últimas semanas e meses”.


“Partilhamos uma perspetiva comum (…) e a união da NATO tem sido absolutamente fundamental para a posição que assumimos contra [o Presidente russo, Vladimir] Putin, e isso irá continuar”, acrescentou o primeiro-ministro britânico.


Antes, Boris Johnson tinha recorrido à plataforma Twitter para congratular Macron pela vitória nas eleições, tendo apelidado França de um dos “aliados mais próximos e importantes” do Reino Unido.


Londres e Paris têm, nos últimos anos, atravessado uma relação tensa, após questões sobre os direitos de pesca após a saída do Reino Unido da União Europeia ou a travessia de migrantes através do Canal da Mancha.


O centrista Emmanuel Macron foi no domingo reeleito Presidente de França, obtendo 58,55% dos votos na segunda volta das eleições, contra 41,45% de Marine Le Pen, a candidata de extrema-direita, segundo resultados oficiais definitivos divulgados hoje pelo Ministério do Interior francês.


Em 2017, a primeira vez que os dois se enfrentaram nas eleições presidenciais, Emmanuel Macron venceu com 66,10% dos votos, contra 33,90% de Marine Le Pen, ou seja, com uma vantagem significativamente mais clara do que nas eleições de domingo.



JO // PJA


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário