05 Fevereiro 2023, 09:55

Fundação Gates doa 1,3 mil ME para ajudar pequenos agricultores em África e na Ásia

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Sharm el-Sheikh, Egito, 07 nov 2022 (Lusa) — A Fundação Bill e Melinda Gates doou 1,4 mil milhões de dólares (1,3 mil milhões de euros ao câmbio atual) para ajudar pequenos agricultores em África e Ásia a adaptarem-se às mudanças climáticas, anunciou hoje a organização filantrópica.


O montante será distribuído ao longo de quatro anos para promover inovações que permitam aos pequenos agricultores resistir melhor às secas, ondas de calor e inundações extremas amplificadas pelas alterações climáticas.


“É necessário financiamento adicional para garantir que as inovações agrícolas e tecnológicas estejam amplamente disponíveis para as comunidades vulneráveis”, disse em comunicado Bill Gates, o bilionário cofundador da gigante de computadores Microsoft.


O anúncio foi feito por ocasião da Conferência das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (COP27), que decorre em Sharm el-Sheikh, no Egito, até ao próximo dia 18.


Organizações que representam 350 milhões de pequenos agricultores defenderam, no primeiro dia de trabalhos, que a construção de um “sistema alimentar que possa alimentar o mundo num planeta em aquecimento” seja uma “prioridade” para a COP27.


“Os efeitos das mudanças climáticas já são devastadores e cada vez que o mundo atrasa a ação, mais pessoas sofrem e as soluções tornam-se mais complexas e caras”, disse o presidente-executivo da Fundação Gates, Mark Suzman.


A verba doada pela fundação vai, principalmente, incentivar novas tecnologias, ajudar as mulheres ou promover inovações no manejo do gado.


Uma plataforma desenvolvida com o Quénia ajudará os agricultores a antecipar melhor as ameaças climáticas, com mensagens de texto enviadas para os seus telemóveis que podem ajudá-los a salvar as colheitas.


Especialistas saudaram o anúncio da Fundação Gates, mas insistiram ser necessário um apoio mais amplo.


Elizabeth Robinson, diretora do Center for Climate Change Economics and Policy, saudou o anúncio, que classificou como “importante”, ao dizer que “a escala do problema é tal que os governos, o setor privado e as organizações internacionais devem aumentar os seus compromissos com a segurança alimentar”.



EL // LFS


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário