08 Dezembro 2022, 02:21

Gaia quer vender a “preço social” terreno municipal para construir cuidados continuados

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

A Câmara de Vila Nova de Gaia tenciona colocar à venda em hasta pública a “preço simbólico” um terreno municipal devoluto destinado exclusivamente à construção de uma unidade de cuidados continuados, revelou hoje o presidente.

“Estamos a preparar o procedimento para vender a um custo social e simbólico um terreno municipal a alguém que se queira propor a construir uma unidade de cuidados continuados”, adiantou Eduardo Vítor Rodrigues.

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



O autarca, que falava no final da reunião pública do executivo municipal, sublinhou que além do preço simbólico, o Município de Gaia, no distrito do Porto, irá isentar o investidor das taxas de todo o processo construtivo.

Contudo, vincou, a venda será condicionada, ou seja, aquele terreno só poderá ser para construção de equipamento social.

E, caso isso não aconteça, o terreno, localizado em Canidelo, reverte imediatamente para a Câmara sem direito a indemnização.

“Ficará salvaguardado para todo o sempre que aquele terreno só pode dar lugar a um equipamento social, não pode sofrer qualquer tipo de alterações, nem ter nenhuma lógica mercantilista”, ressalvou.

Tags

Sem comentários

deixar um comentário