13 Maio 2022, 21:10

Giro: Arranque da 105.ª edição hoje na Hungria decide primeiro líder

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

A 105.ª edição da Volta a Itália em bicicleta arranca hoje em Budapeste, para escolher o primeiro líder da geral individual, a cuja vitória final aspira o português João Almeida (UAE Emirates).

A primeira etapa liga Budapeste ao Palácio Real, em Visegrád, com 195 quilómetros que terminam com uma ‘rampa’ de 5.500 metros a uma pendente média de 4,2%.

Pela primeira vez em cinco edições, o Giro começa com o pelotão compacto, em vez de um contrarrelógio individual que tem selecionado o primeiro camisola rosa da competição.

A escolha recairá, desta vez, no homem mais rápido que souber passar pela subida final, prevendo-se um ‘sprint’ em grupo reduzido em Visegrád, antes do ‘crono’ de sábado, com a Hungria a receber as primeiras três etapas.

Da ‘Grande Partenza’ húngara, o pelotão da ‘corsa rosa’ regressará a Itália para, a partir de terça-feira, após um dia de descanso para viagem, descobrir o sucessor do colombiano Egan Bernal (INEOS), ausente da defesa do título após um acidente grave.

Na linha de partida estão vários favoritos, entre eles o campeão olímpico de fundo, o equatoriano Richard Carapaz, que carrega as esperanças da INEOS em voltar a vencer a corrida, revalidando um título que logrou pessoalmente em 2019.

Outros candidatos incluem o neerlandês Tom Dumoulin (Jumbo-Visma), outro antigo vencedor, mas também o britânico Simon Yates (BikeExchange-Jayco) e o português João Almeida, que este ano trocou a Deceuninck-QuickStep pela UAE Emirates.

Nesta equipa, que traz também os lusos Rui Costa e Rui Oliveira, será líder incontestado no ataque à vitória, depois de em 2020 se ter estreado no pelotão profissional com o quarto lugar final do Giro, que liderou durante 15 dias.

No regresso, em 2021, acabou no sexto lugar, após uma polémica divisão de liderança com o belga Remco Evenepoel, e desde então somou vitórias e bons resultados até chegar aqui.

“Estou confiante nos meus colegas de equipa, estamos todos focados no mesmo objetivo. O líder sou eu, e aqui há equipas com mais do que um líder. Só temos uma carta para jogar, sou eu”, reforçou o corredor de 23 anos, natural das Caldas da Rainha, numa conferência de imprensa na quarta-feira.

A Volta a Itália de 2022, a 105.ª edição da prova, começa hoje em Budapeste e termina em Verona, em 29 de maio, 21 etapas depois.

Sem comentários

deixar um comentário