19 Setembro 2021, 12:28

Governo brasileiro acusa revista The Economist de criar narrativa contra Bolsonaro

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

São Paulo, 07 jun 2021 (Lusa) — A Secretaria de Comunicação (Secom) do Governo do Brasil acusou a revista britânica The Economist de criar uma narrativa “falaciosa, histriónica e exagerada” contra o Presidente do país, Jair Bolsonaro, após a publicação de reportagens sobre a sua gestão.


Numa série de mensagens publicadas na rede social Twitter na noite de domingo, a Secom acusou que a The Economist “enterra a ética jornalística” e “extrapola todos os limites do debate público”, no seu caderno especial intitulado “Hora de ir” que teve como capa a imagem do Cristo Redentor sem ar.


A mais recente edição especial para a América Latina da revista britânica defende a urgência de derrotar Jair Bolsonaro nas urnas e destaca as dificuldades que a maior economia da América do Sul poderá enfrentar caso o líder da extrema-direita brasileira seja reeleito em 2022.


“Com o objetivo de atacar o Presidente da República e influenciar a trajetória política do Brasil, ela [The Economist] destila uma retórica de fã e acaba, na verdade, atacando o intenso trabalho do Governo do Brasil”, disse a Secom, num sequência de 23 publicações.


Numa das suas respostas, o Governo brasileiro faz um resumo da “narrativa do texto” supostamente utilizada pela revista britânica, que aborda temas como economia, corrupção e Amazónia, entre outros.


“O Presidente seria um ditador que estaria matando seu próprio povo, seus seguidores estariam prontos para uma guerra civil e o Exército estaria disposto a intervir caso o Presidente perdesse as próximas eleições”, ironizou o Governo brasileiro.


A Secom questionou supostas contradições por parte da The Economist e acusou a publicação de ser um “panfleto” ao apontar o risco de destruição da Amazónia brasileira sob a gestão de Bolsonaro.


O órgão que faz a comunicação do Governo brasileiro também sugere que a revista britânica está tentando interferir nas “questões internas” e, “segundo o texto, defende a eliminação do Presidente que está livrando o Brasil da corrupção e da sujeição às oligarquias que a revista parece representar”.


A revista, porém, não usa o termo “eliminar”, mas sim “derrota nas urnas”.



CYR // LFS


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário