04 Julho 2022, 05:42

Governo: Jerónimo diz que “nenhuma das opções” espanta e quer travão ao aumento do custo de vida

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Lisboa, 07 abr 2022 (Lusa) — O secretário-geral comunista, Jerónimo de Sousa, considerou hoje que “nenhuma das opções do Programa do Governo espanta” e reivindicou do executivo socialista uma política que “ponha um travão ao aumento do custo de vida”.


“Nenhum das opções do Programa do Governo espanta”, afirmou Jerónimo de Sousa, durante o debate sobre o Programa do Governo, na Assembleia da República.


O dirigente comunista acrescentou que a “ausência de respostas” para resolver os problemas do país é “o que pesa mais nesta circunstância é que se inicia uma nova maioria absoluta do PS”.


“A realidade nacional reclama uma política que ponha um travão ao aumento do custo de vida (…). Como é que recusando as respostas às necessidades mais sentidas dos trabalhadores e reformados, das micro, pequenas e médias empresas, o Governo pode ambicionar e dar resposta aos problemas do país?”, questionou Jerónimo de Sousa.


O secretário-geral comunista exortou o executivo a avançar com o aumento do salário mínimo para 850 euros, pedindo que, “pelo menos, reponha o poder de compra aos pensionistas que a inflação colocou em causa”.


O primeiro-ministro, António Costa, respondeu secretário-geral comunista que o Programa do Governo é um programa que “dá continuidade” ao percurso iniciado em novembro de 2015.


“Tenho uma certa sensação de que estamos exatamente no ponto em que estávamos a última vez que aqui nos encontrámos. Os argumentos são, essencialmente, os mesmos, como se nada tivesse acontecido. Aconteceram muitas coisas no entretanto”, advertiu Costa.


O primeiro-ministro defendeu que o programa foi desenhado para o possibilitar “a melhoria das condições de vida dos cidadãos, para a melhoria dos salários e para a redução das desigualdades”.



AFE // JPS


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário