26 Janeiro 2022, 23:05

Governo português destaca importância de “sobressalto cívico” com Moçambique

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Lisboa, 26 nov 2021 (Lusa) — O secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação português, Francisco André, defendeu hoje em Lisboa a importância de um “sobressalto cívico” com Moçambique, país de onde regressou quinta-feira depois de assinar o Programa Estratégico de Cooperação bilateral.


“A sociedade civil portuguesa tem-se mobilizado sempre que é necessário para apoiar Moçambique, assim como Moçambique se mobiliza para apoiar Portugal quando é necessário. Nos últimos anos Moçambique tem passado por momentos bastante difíceis, os ciclones e agora esta situação de terrorismo no norte de Moçambique. A sociedade portuguesa tem-se organizado e esse sobressalto cívico é muito importante para podermos ter os meios que possam ajudar a combater o fenómeno mas sobretudo a apoiar aquelas pessoas que já sofreram bastante”, disse Francisco André.


O governante falava no final da cerimónia de inauguração da exposição “Escola do Caminho Longo”, uma iniciativa da organização não-governamental para o desenvolvimento (ONGD) Helpo, que apresenta as fotografias, os percursos e os relatos da fuga de 20 crianças deslocadas de Cabo Delgado.


A exposição é o resultado da viagem que a escritora Maria João Venâncio e o fotógrafo Luís Godinho realizaram em julho ao norte de Moçambique para conhecer a dramática realidade dos mais de 800 mil deslocados, metade dos quais são crianças, que fogem dos ataques armados.


Francisco André destacou a importância de “não esquecer que esta mobilização deve ser de Portugal”, que tem procurado envolver outros países, designadamente no quadro europeu.


“Portugal tem sido incansável a mencionar o tema de Moçambique e o país bem sabe o esforço diplomático que foi feito por Portugal para aprovar a missão de formação e treino militar durante o passado semestre da cimeira da presidência portuguesa da União Europeia”, salientou.


Em declarações à Lusa, Maria João Venâncio e Luís Godinho, disseram ser “um sonho agora ver isto aqui”.


“É uma emoção muito forte. Foi duro fotografar e falar. Foi duro falar saber das histórias deles. As histórias que são contadas aqui hoje era de partir o coração”, considerou Luís Godinho.


A exposição, patente no Museu Nacional dos Coches, foi o primeiro do género da Maria João Venâncio e de Luís Godinho.


A Helpo está presente em Moçambique desde 2008 com projetos de apoio a populações vulneráveis, à semelhança dos que desenvolve em São Tomé e Príncipe e Guiné-Bissau.



EL // JH


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário