08 Outubro 2022, 20:16

Greve dos guardas prisionais adia julgamento em Coimbra de grupo acusado de assaltar lares

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



A greve dos guardas prisionais a diligências adiou o arranque do julgamento no Tribunal de Coimbra de um grupo de sete arguidos acusados de assaltarem mais de 20 lares de idosos no Norte e Centro do país, em 2021.

O julgamento, que deveria ter começado hoje de manhã, foi adiado devido à greve dos guardas prisionais, afirmou fonte do Tribunal de Coimbra, referindo que ainda não foi definida nova data.

A greve a diligências, como o transporte de reclusos em situações não urgentes, começou no dia 01 e prolonga-se até dia 18.

Dos sete arguidos do processo, três estão em prisão preventiva.

O grupo era liderado por um homem de 54 anos, de alcunha “Poeta”, natural de Barcelos, que conheceu outros dois arguidos — o núcleo principal — na prisão de Paços de Ferreira, onde dividiam a mesma cela, refere a acusação a que a agência Lusa teve acesso.

Segundo o Ministério Público (MP), “Poeta” decidiu criar o grupo, pelo menos a partir de abril de 2021, com a intenção de assaltar cofres em lares de idosos e estabelecimentos similares, com especial incidência nas regiões Norte e Centro.

Com apoios logísticos em Pombal (para os assaltos no Centro) e em Vila Nova de Famalicão (para os crimes no Norte), o grupo sinalizava os lares através de pesquisas na internet ou na passagem pelos locais, explica o Ministério Público.

Na maioria dos assaltos, o grupo procurava cofres nas secretarias dos lares de idosos, onde encontravam pertences em ouro de utentes, assim como dinheiro em numerário.

Manteigas, Oliveira do Hospital, Miranda do Corvo, Tondela, Condeixa-a-Nova, Viana do Castelo, Oleiros ou Vila Nova de Paiva foram alguns dos concelhos onde os assaltos ocorreram.

O último furto realizou-se em 08 de novembro de 2021, quando foram surpreendidos por elementos da GNR, quando distribuíam entre si, numa residência em Pombal, os proveitos de um assalto no concelho de Soure.

“Poeta” é acusado de um crime de associação criminosa, 21 crimes de furto qualificado na forma consumada, seis na forma tentada, um crime de tráfico de estupefacientes e um crime de detenção de arma proibida.

Outros dois arguidos são também acusados de mais de uma dezena de crimes.

Tags

Sem comentários

deixar um comentário