13 Maio 2022, 18:31

Greve geral e protestos contra Presidente paralisam o Sri Lanka

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Colombo, 06 mai 2022 (Lusa) — Uma greve com elevada adesão paralisou hoje o Sri Lanka para exigir a demissão do Presidente, Gotabaya Rajapaksa, e do seu Governo devido à gestão da crise económica que atinge o país insular do Índico, informaram os ‘media’ locais.


Sindicatos de todo o país apelaram hoje ao encerramento de todas as atividades produtivas e paralisaram totalmente a ilha, com negócios e bancos fechados e as ruas vazias e sem transportes públicos.


“Caso o Presidente Gotabaya Rajapaksa e o primeiro-ministro Mahinda Rajapaksa recusem demitir-se, a partir de 11 de maio esta greve passará a ser diária”, disse à agência noticiosa Efe T. Gunasekera, membro do sindicato do departamento dos Correios.


“Esta é uma luta para limpar este sistema de Governo. A família Rajapaksa converteu-se numa dor para esta região com a sua imparável corrupção, nepotismo e manipulações políticas. Esta família deveria renunciar à política antes de qualquer outra alteração”, acrescentou.


Para além do encerramento dos estabelecimentos comerciais, numerosos edifícios de Colombo exibiram bandeiras negras em sinal de apoio à greve.


Os protestos também se intensificaram hoje devido à paralisação geral, na sequência do descontentamento da população face a Rajapaksa e à sua gestão da crise económica, que provocou a escassez de produtos essenciais como alimentos, medicamentos ou combustível.


Esta situação, desencadeada pela falta de divisas internacionais para importar os produtos requeridos, chegou a provocar cortes de eletricidade durante 13 horas consecutivas.


Ao contrário dos dias anteriores, onde milhares de manifestantes se têm concentrado frente ao edifício da secretaria presidencial para exigir a demissão do Presidente, nesta ocasião os protestos intensificaram-se frente ao Parlamento, onde em breve será votada uma moção de censura apresentada pela oposição contra Rajapaksa e o seu Governo.


“Este Governo é tão insensível que nem sequer falou sobre os problemas que a população enfrenta. Estamos todos aqui devido à escassez motivada pelas equívocas decisões do Governo”, indiciou um manifestante perto do Parlamento citado pela Efe.


A repressão policial durante a concentração originou um aumento da tensão e implicou que o Presidente suspendesse a sessão até 17 de maio, sem programar o dia do debate ou a data para a votação da moção de censura.


Num relatório hoje divulgado, a Amnistia Internacional (AI) exortou o Governo de Colombo a “garantir um clima propício para a expressão pacífica da contestação” e pediu à comunidade internacional para intervir na crise económica do país e evitar que se converta numa crise humanitária.


Neste sentido, a organização não-governamental (ONG) de direitos humanos lamentou a morte de cinco pessoas que aguardavam a entrega de bens essenciais, e o uso da força pelas forças de segurança na repressão dos protestos pacíficos.


A AI também apelou ao Governo do Sri Lanka que financie e amplie “urgentemente” o sistema de segurança social para garantir o seu acesso a toda a população, e advertiu para os efeitos contraproducentes de adoção de medidas de austeridade para enfrentar a crise.



PCR // JH


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário