09 Novembro 2022, 13:50

Greve na empresa de águas em Luanda entra hoje no segundo dia

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Luanda, 24 dez 2021 (Lusa) — A greve dos trabalhadores da Empresa Pública de Águas de Luanda (EPAL) entrou hoje no seu segundo dia, depois de uma reunião inconclusiva entre a administração, o sindicato e o ministro da Energia e Águas de Angola.


Em declarações à Lusa, o primeiro secretário sindical da EPAL, António Martins, disse que o ministro João Baptista Borges afirmou não estar a substituir a administração e “apelou apenas consenso e diálogo contínuo entre as partes”.


O ministro “procurou aproximar as partes, garantiu que a necessidade de nomeação de um presidente do Conselho de Administração está a ser já diligenciado, o seguro obrigatório contra acidentes e doenças profissionais são de resolução imediata, tal como os salários e recomendou o diálogo”, disse.


O pagamento regular dos salários, melhores condições laborais, assistência médica e seguro obrigatório contra acidentes de trabalho e doenças profissionais são algumas das reivindicações dos técnicos da EPAL, que cumprem hoje o segundo dia de greve.


António Martins assinalou que a greve continua, mas alguns funcionários estão a assegurar os serviços mínimos de produção, captação, tratamento e distribuição de água na capital angolana, com cerca de oito milhões de habitantes.


Segundo o sindicalista, os funcionários e a administração EPAL tiveram uma primeira ronda negocial na quarta-feira, em que “não houve consenso”, apesar de já ter sido pago o salário de novembro e estava a ser processado o de dezembro.


A greve “tem um bom nível de aceitação dos trabalhadores, se bem que estamos rigorosamente a cumprir os serviços mínimos, com atividades inadiáveis para a comunidade de Luanda”, referiu.


O primeiro secretário sindical da EPAL recordou ainda que existiram “situações anteriores à greve”, que tiveram um “efeito negativo” na distribuição de água na capital angolana.


“Por isso é que se regista a falta de água já há alguns dias em alguns bairros e água também com pouca qualidade. Tivemos algumas roturas que antecederam o período de greve em conduta de grande diâmetro e nem tudo decorre de os trabalhadores cruzarem os braços”, justificou.


Um novo encontro negocial está previsto para a próxima quarta-feira, 29 de dezembro, mas o sindicalista disse estar disposto ao “diálogo sempre” que necessário.




DYAS // NS


Lusa/fim

Tags

Sem comentários

deixar um comentário