09 Setembro 2022, 06:11

Gripe das aves volta a ser detetada em Portugal

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



A gripe das aves voltou a ser detetada em Portugal, numa exploração caseira de galinhas, perus e patos, em Beja, cerca de dois meses após o país estar livre deste vírus, foi hoje anunciado.

“No dia 11 de agosto, foi confirmado um novo foco de infeção por vírus da gripe aviária numa exploração de detenção caseira com galinhas, perus e patos, na freguesia de S. Marcos de Ataboeira, concelho de Castro Verde, distrito de Beja”, indicou hoje a Direção-Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV).

Em junho, Portugal recuperou o estatuto de país livre da gripe aviária de alta patogenicidade (GAAP), depois de ter somado 20 focos de infeção.

Segundo a DGAV, foram implementadas medidas de controlo, como a inspeção do local, abate dos animais afetados, bem como a inspeção e notificação das explorações com aves nas zonas de proteção, num raio de três quilómetros em redor do foco, e de vigilância, num raio de 10 quilómetros.

“Perante a evidência de contínua circulação do vírus da GAAP”, a DGAV pediu que todos os detentores de aves cumpram as medidas de segurança e as boas práticas de produção, evitando também os contactos entre aves domésticas e selvagens.

Por outro lado, notou que as medidas de higiene das instalações, equipamentos e materiais devem ser reforçadas, assim como o controlo dos acessos aos estabelecimentos onde estão a aves.

“A notificação de qualquer suspeita deve ser realizada de forma imediata, para permitir uma rápida e eficaz implementação das medidas de controlo da doença, no terreno, pela DGAV”, alertou.

Em Portugal, o primeiro foco de gripe aviária foi detetado em 30 de novembro de 2021, numa capoeira doméstica, em Palmela, distrito de Setúbal.

Sem comentários

deixar um comentário