13 Maio 2022, 16:45

Guerra agrava falta de profissionais no transporte rodoviário de mercadorias europeu

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Madrid, 07 mai 2022 (Lusa) – A invasão da Ucrânia pela Rússia agravou o problema da falta de condutores profissionais no mercado do transporte rodoviário de mercadorias europeu, adicionando mais de 166.000 vagas às de 380.000 a 425.000 estimadas no final de 2021.


AS 166.000 novas vagas eram preenchidas por camionistas da Ucrânia, Bielorrússia e Rússia a trabalhar na Europa que podem ter deixado os seus empregos devido ao conflito, de acordo com os dados fornecidos à Efe pela Associação Internacional de Transportes Rodoviários (Astic) com base no estudo “The European Road Freight Rate Development Benchmark”.


Entre os impactos que foram e serão sentidos depois da invasão da Ucrânia está uma perda adicional de mão-de-obra no setor da logística na Europa, onde a disponibilidade há muito que é um problema, especialmente dos condutores profissionais de veículos pesados, devido a vários fatores que tornam esta profissão pouco atrativa.


E não só na Europa, mas também noutras partes do mundo, como o Japão ou mesmo os Estados Unidos.


Estes fatores incluem o elevado custo financeiro da entrada na profissão, a dureza física que exige, as condições de trabalho oferecidas, a estagnação dos salários e a falta de reconhecimento social da profissão.


Em Espanha, existe também a enorme fragmentação do setor do transporte rodoviário de mercadorias, que tem mais de 104.000 empresas, das quais apenas 4% são grandes empresas.


Segundo o estudo, realizado em abril pela Upply, Ti e a Organização Mundial dos Transportes (IRU), da qual Astic é membro ativo desde 1960, entre 80.000 e 100.000 postos de trabalho no setor dos transportes estavam vagos no final do ano passado no Reino Unido, 80.000 na Polónia, entre 57.000 e 80.000 na Alemanha, 71.000 na Roménia e 34.000 em França.


Espanha é o outro país com mais vagas, já que as mesmas passaram de 15.000 para entre 18.000 e 20.000.


A pandemia pode ter contribuído para isto, o que abrandou os novos registos em 2020 à medida que menos exames de condução são feitos, enquanto o comércio eletrónico disparou, o que, por sua vez, aumentou a procura de mobilidade do transporte rodoviário de mercadorias.


Espanha é seguida por Itália, que necessita de entre 17.000 e 20.000 condutores profissionais, seguida pela Lituânia, onde existe uma carência de 10.000, os Países Baixos (7.000) e a Bélgica (4.000).


A Polónia e a Lituânia são os países da União Europeia (UE) que empregam o maior número de motoristas não comunitários. Do total de 228.000 certificados como motoristas profissionais de transportes rodoviários em circulação até ao final de 2020, 103.000 (45%) foram emitidos na Polónia e 67.000 (29%) na Lituânia.


Na Polónia, quase 30% dos motoristas que trabalham no transporte internacional são estrangeiros e na sua maioria de países não comunitários, dos quais cerca de 75% são ucranianos e cerca de 20% são bielorrussos.


No entanto, alguns operadores de carga polacos afirmam que até 80% dos seus motoristas vêm destes países e estão, portanto, “desesperados” para preencher todas estas vagas, de acordo com o relatório.


Este elevado nível de emprego de cidadãos principalmente não comunitários deve-se à sua vizinhança natural com a Polónia e à ausência de diferenças culturais significativas.


Devido à escassez de pessoal nacional, o Governo polaco proporcionou empregos a cidadãos da Ucrânia, Bielorrússia, Rússia, Geórgia, Arménia e Moldávia, aos quais também foram concedidas autorizações de trabalho a estrangeiros.


Na Lituânia, a maioria destes condutores de países terceiros são também bielorrussos, russos e ucranianos.


Depois da invasão da Ucrânia em 24 de fevereiro, a Ucrânia anunciou o estado de emergência militar, que impôs automaticamente a proibição de homens entre os 18 e os 60 anos de deixar o país.


Aqueles que estavam no país na altura, incluindo os que trabalhavam como camionistas, não puderam partir, enquanto muitos outros que viviam no estrangeiro regressaram à Ucrânia.


Houve também casos em que, dada a situação, as autorizações de residência ou de trabalho dos motoristas russos e bielorrussos não foram prorrogadas, enquanto alguns empregadores na Europa rescindiram contratos de trabalho com camionistas destes dois países.


Além disso, os motoristas russos e bielorrussos também estão relutantes em conduzir na Europa e estão a regressar aos seus países de origem.



MC // CSJ


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário